Segunda-feira
24 de Setembro de 2018
Publicidade
Publicidade
Segunda-feira, 24 de Setembro de 2018
Publicidade
Publicidade
Saudades de Gonzagão

Há 27 anos partia o Rei do Baião, Luiz Gonzaga

Por Ronuery Rodrigues
Em 02/08/2016 às 07:50
Compartilhar
Gonzagueanos relembram 27 anos de saudades do Rei do Baião. (Foto: Reprodução)

Em 2 de agosto de 1989, aos 77 anos de idade, partia deste mundo aquele que foi o maior expoente da música popular brasileira e um dos maiores ídolos imortalizado no coração dos Nordestinos através das suas composições. Luiz Gonzaga do Nascimento, nascido em 13 de dezembro de 1912, na fazenda Caiçara, em Exu – Pernambuco, segundo dos nove filhos do casal Januário José dos Santos e Ana Batista de Jesus (Santana).

O Filho do velho Sanfoneiro Januário ainda jovem em Exu, cantava e tocava nos forrós e sambas das redondezas as mesmas canções que seu pai. Na década de 1940 viajou para o Rio de janeiro, onde começa a tocar sanfona em bares e casas de shows para de ganhar a vida.

A primeira música gravada foi em 1945, "Dança Mariquinha"(Luiz Gonzaga/Miguel Lima), não tendo muita repercussão. Antes, em 1944, a música " Xamego"(Luiz Gonzaga/Miguel Lima) foi a primeira a ser gravada por outro artista, interpretada pela cantora Carmem Costa, que possuiu um relativo sucesso. Já "Dezessete e Setecentos”, interpretada pelo Rei da embolada Manezinho Araújo, houve uma certa aceitação.

As composições: Penerô Xerém, Dezessete e Setecentos, Cortando o pano, foram produções em que o artista tentou emplacar durante a década de 40/50.

Grande instrumentista, popularizou ritmos como baião, o xote e o xaxado. As músicas" No meu pé de Serra” (Luiz Gonzaga/ Humberto Teixeira) e " Asa Branca" que deram expressividade ao pernambucano. A música Baião foi sucesso em todo país. Gonzaga já era visto como “o maior sanfoneiro do Nordeste, e até do Brasil”.  Na década de 60 grava também a composição "A Triste Partida" de Patativa do Assaré.

O músico recebera troféus e homenagens pela sua trajetória de sucesso; recebeu pela RCA o primeiro disco de platina de sua carreira, com o LP Forró de Cabo a Rabo, lançado em 1986. Em junho de 1989, Luiz Gonzaga sobe pela última vez num palco, com o auxílio de uma cadeira de rodas, no teatro Guararapes no Centro de Convenções no Recife. Ao lado de Dominguinhos, Gonzaguinha, Alceu Valença e vários outros amigos e parceiros, desobedecendo a ordens médicas. Luiz Gonzaga morreu no dia 2 de agosto de 1989, às 05h15 vítima de uma parada cardiorrespiratória, no Hospital Santa Joana, em Recife, onde dera entrada há quarenta e dois dias. Seu corpo foi velado na Assembleia Legislativa do Estado e o Governo de Pernambuco decretou luto oficial por três dias.

Como legado, Luiz Gonzaga deixou mais de 40 discos gravados e inúmeros sucessos da música popular Brasileira. Em 13 de dezembro de 1989, foi inaugurado em Exu por Domiguinhos e Gonzaguinha o Museu do Gonzagão.O artista é homenageado ainda em documentários, filmes (Gonzaga de pai pra filho) em músicas, livros, xilogravuras e na literatura Cordel também.

Na Região do Cariri, Luiz Gonzaga é lembrado no distrito Dom Quintino, zona rural do  Crato através de um museu criado por um garoto de dez anos. Pedro Lucas Feitosa, criou em 2013 na casa da sua bisavó um museu em homenagem ao seu ídolo. No local estão expostos vários discos que contam a história do artista além de objetos antigos que retomam o tempo em que Luiz Gonzaga viveu no Sertão.

Menino criou na casa da bisavó um museu para Luiz Gonzaga. (Foto: Rafael Pereira)


Saudades do GONZAGÃO

Já na cidade natal do musico, Exu, Instituições como a Secretaria Municipal de Cultura, Turismo e Desportos; Organização não Governamental Flor de Mandacaru e Projeto Asa Branca, além de realizarem atividades de valorização da cultural local, solicitaram à ALEPE (Assembleia Legislativa de Pernambuco) a inclusão dos festejos "Saudades do Gonzagão”, celebrado no dia 2 de agosto, no Calendário de Festas do Estado de Pernambuco. Estes eventos homenageiam Luiz Gonzaga na sua cidade local, e buscam manter viva as manifestações culturais, através da dinamização da economia local gerando de renda e o desenvolvimento do turismo local.

De acordo com o secretario de cultura do município, Cicero Marcelino, existe a necessidade de fortalecer estes eventos culturais juntamente ao Estado, para que além da realização de shows culturais sejam inseridos oficinas, seminários, teatro e programações diversas na dinâmica do evento. O evento "Viva Gonzagão" entrou recentemente no Calendário Festivo do Estado pela Lei nº 15.745/2016.

Publicidade
Compartilhe
Comentários
Publicidade
Publicidade
Publicidade
Publicidade
Publicidade
Publicidade
Publicidade
© ACONTECEU, TÁ NO MISÉRIA
Quer reproduzir nosso conteúdo no seu blog ou site? Estabeleça uma parceria clicando aqui.
Desenvolvido por Kleber Ferreira