Sexta-feira
28 de Abril de 2017
Publicidade
Publicidade
Sexta-feira, 28 de Abril de 2017
Publicidade
Publicidade
Débitos de 2016
Desmonte nas prefeituras de Reriutaba e Amontada ameaça até corte na iluminação pública
Regularização das prefeituras depende de negociações com a Enel (Foto: Divulgação)
Em 10/01/2017 às 17:00

As prefeituras de Reriutaba, na zona norte do Estado, e de Amontada, no Litoral Oeste do Ceará, estão com débitos relativos à energia elétrica que ameaçam o corte em prédios geridos pelos municípios e na própria iluminação pública. Os atuais gestores afirmam que a irregularidade ocorreu nas gestões que lhes antecederam.

De acordo com o prefeito de Reriutaba, Osvaldo Neto (PDT), que assumiu no dia 1º de janeiro, a gestão anterior deixou um débito de R$ 124.442,80 de energia elétrica. Segundo o mandatário, "já existiam relatos durante a transição de cortes em alguns prédios públicos", como o Ginásio da E.E.F. Centro de Educação Rural (CERU) e o Posto de Saúde de Primeira Várzea. Segundo Osvaldo, "a Prefeitura não poderia fazer ligação nos meses anteriores por conta do débito ser constante".

Já a Prefeitura de Amontada passa por problemas financeiros maiores com relação à energia elétrica. Segundo o atual prefeito do município, Dr. Valdir (PDT), o valor atrasado do pagamento entre os meses de agosto e novembro de 2016 é de R$ 576.793,79. O mês de dezembro ainda não foi contabilizado pela atual gestão, mas a estimativa é de que o valor alcance a marca de R$ 791 mil quando o último mês do ano entrar na contagem.

"Estamos ameaçados de corte em virtude do débito que o ex-prefeito deixou com a iluminação pública", declarou o atual gestor de Amontada. De acordo com Valdir, ainda não há relatos de prédios públicos sem iluminação. "Não teve notificação [da Enel], apenas foi dito que estava para corte por causa de quatro meses de atraso", disse.

Em nota, a Enel Distribuição Ceará (anteriormente conhecida como Coelce), informou que não realizou o corte de energia de unidades da Prefeitura de Amontada e de Reriutaba. "A empresa somente toma a decisão de interromper o abastecimento de energia após tentar negociar o débito em várias ocasiões", confirmou.

Negociações

A proposta dos gestores dos municípios de Reriutaba e Amontada é tentar um parcelamento com a Enel a fim de impedir os cortes de energia elétrica nos prédios públicos e na própria iluminação pública.

"Pedi só que não cortasse", relatou Dr. Valdir ao afirmar que ainda hoje pretende negociar os valores com a empresa de energia elétrica e enviar um ofício. "Se eu for fazer um parcelamento, teria que pagar 30% do débito como entrada, em torno de R$ 173 mil", disse o prefeito.

Voltando de Fortaleza, onde esteve reunido com integrantes da Enel, o mandatário de Reriutaba afirmou que o processo para regularização do município já se iniciou. "Estamos negociando para poder tomar pé da situação porque além dessa divida, temos um custo mensal, e energia elétrica é uma coisa essencial para o funcionamento da Prefeitura", comentou. A expectativa é de que o parcelamento da dívida possa ser feito durante um ano.

Fonte: Diário do Nordeste

Publicidade
Compartilhe
Comentários
Publicidade
Publicidade
TJ Seguros
Publicidade
Publicidade
Publicidade
Publicidade
© ACONTECEU, TÁ NO MISÉRIA
A reprodução total ou parcial de qualquer conteúdo (textos, imagens, infográficos, arquivos em flash, etc) do portal só é permitida com o devido crédito da fonte e, caso não se configure, poderá ser objeto de denúncia tanto nos mecanismos de busca quanto na esfera judicial. Se você possui um blog ou site e deseja estabelecer uma parceria para reproduzir nosso conteúdo, clique aqui.
Desenvolvido por Kleber Ferreira