Terça-feira
17 de Julho de 2018
Publicidade
Publicidade
Terça-feira, 17 de Julho de 2018
Publicidade
Publicidade
Encontro

Malala ganha obra de Paulo Freire de estudante brasileira

Em 29/11/2017 às 18:20
Compartilhar
Quem entregou o presente em mãos à defensora dos direitos humanos das mulheres e do acesso à educação foi a brasileira Luiza Moura, de 15 anos (Foto: Reprodução/ Notícias ao Minuto)

A ativista paquistanesa Malala Yousafzai, que em 2015 se tornou a pessoa mais jovem a receber um prêmio Nobel da Paz, acaba de ser presentéada com um exemplar da obra do filósofo e educador brasileiro Paulo Freire, “Pedagogia da Esperança” (1992). Quem entregou o presente em mãos à defensora dos direitos humanos das mulheres e do acesso à educação em uma região dominada pelos talibãs foi a brasileira Luiza Moura, de 15 anos, selecionada pela ONG de Malala para conhecer a paquistanesa em sua passagem pelo México.

A estudante teve contato com o trabalho de Malala cinco anos atrás. Segundo contou ao G1, ela estava em um almoço quando ouviu a história de uma menina do Paquistão que levou um tiro porque queria frequentar a escola. Anos depois, a brasileira e outras garotas, representantes da América Latina no Fundo Malala para o encontro, almoçaram no último mês de setembro com a ativista, que hoje é estudante universitária e foi ao México para dar uma palestra na Cidade do México.

Na bagagem até o país, além do livro de Paulo Freire, embrulhado para presente, estava a biografia da paquistanesa, "Eu sou Malala” (2013), em busca de um autógrafo da autora. A brasileira foi selecionada através da campanha “Postcards to Malala”, para a qual enviou um cartão-postal em abril.

"Por mais diferentes que fossem as realidades, as histórias que a gente contou tinham certa semelhança: muitas das meninas saíam da escola porque ficavam grávidas. A América do Sul é o único continente em que o número de grávidas adolescentes está aumentando, e não diminuindo", disse a paulistana ao G1.

Segundo a paulistana, a paquistanesa de 20 anos luta pelas mesmas coisas que ela: que as pessoas tenham um direito básico à educação. “Se ela, que ganhou o Nobel da Paz, luta pelas mesmas coisas que eu luto, eu tenho esperança de que as minhas lutas tenham algum sentido."

NoticiasaoMinuto

Publicidade
Compartilhe
Comentários
Publicidade
Publicidade
Publicidade
Publicidade
Publicidade
Publicidade
Publicidade
© ACONTECEU, TÁ NO MISÉRIA
Quer reproduzir nosso conteúdo no seu blog ou site? Estabeleça uma parceria clicando aqui.
Desenvolvido por Kleber Ferreira