Domingo
19 de Agosto de 2018
Publicidade
Publicidade
Domingo, 19 de Agosto de 2018
Publicidade
Publicidade
Afirma estudo

Consumo de bebidas alcoólicas aumenta risco de câncer porque altera DNA

Em 08/01/2018 às 08:50
Compartilhar
O impacto das bebidas alcoólicas nas células estaminais é, segundo um recente estudo, a causa para o aparecimento de câncer associado ao consumo de álcool (Foto: Reprodução/Notícias ao Minuto)

Que o consumo de bebidas alcoólicas está associado a um maior risco de desenvolvimento de câncer, pouca ou nenhuma dúvidas restavam, porém, faltava ainda saber o que está realmente na origem desta ligação fatal que tira a vida a milhares de pessoas todos os anos.

E foi isso mesmo que um recente estudo em parte financiado pela Cancer Research conseguiu decifrar. Publicado na "Nature", o estudo revela que a ingestão de bebidas alcoólicas tem um impacto direto e negativo no DNA, alterando as células estaminais e deixando, por isso, a pessoa mais propensa a desenvolver a doença.

Levado a cabo pelo Laboratório de Biologia Molecular do Conselho de Investigação Médica da Universidade de Cambridge (Reino Unido), o estudo analisou o impacto do etanol em ratos, tendo sido ainda feita uma análise dos cromossomos e uma sequência de DNA para perceber se existia ou não algum impacto a nível genético causado pelo acetaldeído – substância química que o corpo produz para conseguir processar o álcool, mas que, na verdade, é verdadeiramente nociva para a saúde.

Conta o "Telegraph" que os cientistas notaram que o acetaldeído é capaz de penetrar e danificar o DNA das células estaminais do sangue, causando, com isso, perturbações permanentes nas sequências de DNA dentro das próprias células, que ficam mais propensas a ficar defeituosas e a não serem capazes de entrar em estado de apoptose.

Apoptose é o termo científico usado para designar a morte programada de células, que se ‘suicidam’ e dão lugar a novas. Este processo é natural, contudo, quando o organismo não é capaz de expulsar as células com defeito, estas podem entrar em conflito e provocar um tumor, algo que também acontece quando o crescimento natural das células acontece de forma anormal.

O estudo mostrou ainda que os ratos sem ALDH – enzima que ‘nasce’ como resposta ao impacto do acetaldeído – ficam quatro vezes mais propensos a ter câncer do que aqueles que têm a mesma enzima, que foi decifrada na investigação como um mecanismo de defesa contra o impacto do álcool.

Além disso, os cientistas concluíram ainda que as pessoas com duas mutações genéticas específicas em dois genes, o alsh2 e o Fancd2 – correm um risco ainda maior de contrair a doença pelo mau hábito.

Como nota ainda o "Telegraph", o consumo frequente e elevado de bebidas alcoólicas pode causar sete tipos distintos de câncer: boca, garganta, laringe, esôfago, mamas, fígado e intestino.

NoticiasaoMinuto

Publicidade
Compartilhe
Comentários
Publicidade
Publicidade
Publicidade
TJ Seguros
Publicidade
Publicidade
Publicidade
Publicidade
© ACONTECEU, TÁ NO MISÉRIA
Quer reproduzir nosso conteúdo no seu blog ou site? Estabeleça uma parceria clicando aqui.
Desenvolvido por Kleber Ferreira