Quarta-feira
21 de Fevereiro de 2018
Publicidade
Publicidade
Quarta-feira, 21 de Fevereiro de 2018
Publicidade
Publicidade
Durante prova na BA

Suspeito de fraude no Enem confessa que usou celular para copiar texto de redação

Em 19/01/2018 às 16:50
Compartilhar
Delgada disse em coletiva que suspeito de fraude no Enem confessa que usou celular durante prova em Salvador (Foto: Reprodução)

Um rapaz de 27 anos, suspeito de plagiar a sinopse de um livro na redação do Exame Nacional do Ensino Médio (ENEM) 2017, confessou à Polícia Federal, em depoimento, que copiou na própria prova um texto que achou na internet através do celular.

A informação é da Polícia Federal que, após anunciar o cumprimento de buscas e apreensão na casa do suspeito, realizou uma coletiva de imprensa na manhã desta sexta-feira (19), em Salvador, para dar mais detalhes do caso.

Na casa do suspeito, localizada no bairro Macaúbas, na capital baiana, além do celular, a polícia encontrou o rascunho da prova de redação, onde também constava o trecho do livro. O nome do rapaz não foi divulgado, mas a polícia detalhou que ele trabalha como vendedor e já é estudante de Engenharia Civil de uma faculdade particular de Salvador.

De acordo com a PF, o rapaz disse, em depoimento, que agiu sozinho e que conseguiu burlar a entrada dele na sala de prova com o celular escondido na cintura. O suspeito fez as provas no Pavilhão VI da Universidade Federal da Bahia (UFBA), localizado no bairro da Federação, em Salvador.

Ele informou à polícia que ao ver o tema da redação, resolveu fazer a pesquisa do tema pela internet e apareceu um trecho do livro que ele copiou. Disse também que mesmo enquanto os fiscais passavam entre os candidatos na sala, ele disfarçava e escondia o aparelho eletrônico entre as pernas.

A delegada da Polícia Federal que é responsável pelo caso, Suzana Jacobina, disse que o caso foi isolado, mas que a polícia vai identificar os fiscais e chamá-los para depoimento. Além disso, o celular do rapaz foi levado para perícia. Não há detalhes de quando será o resultado da análise.

"Ele confessou. Disse que estava só testando os conhecimentos, mas que acabou ficando nervoso por não saber do assunto e decidiu fazendo uma pesquisa no celular. A falha [entrar na sala com celular] foi pontual, não identificamos a participação de organização criminosa e o Enem não será cancelado. Já ele foi eliminado da prova. Ontem quando foram divulgados os resultados das provas, ele também pode ver a nota dele e percebeu que a redação estava zerada. Quando foi hoje fizemos as buscas na casa dele", explicou a delegada.

Em nota, o Instituto Nacional de Estudos e Pesquisas Educacionais Anísio Teixeira (Inep) informou que as investigações realizadas pela PF são subsidiadas pela autarquia, como parte do Acordo de Cooperação celebrado entre os dois órgãos. Ainda segundo o Inep, a Policia Federal acompanha todo o processo de aplicação das Provas do Enem.

O órgão destacou que, por meio da banca responsável pela correção das provas, identificou que, na prova de redação, o candidato investigado havia plagiado a sinopse do livro “Redação de Surdos”: Uma jornada em Busca da Avaliação Escrita”, e oficializou o fato ao Departamento de Policia Federal, para a devida investigação. O Inep disse também que será notificado pela PF, após a conclusão das investigações, e que, a partir do que for constatado, adotará as providências cabíveis, delimitando as responsabilidades, eliminando eventuais beneficiários de esquemas de fraudes na edição de 2017 do Enem.

Na nota, o Inep reiterou "ter adotado todas as medidas para uma aplicação segura, com os requisitos de segurança exigidos para garantir a isonomia entre os participantes que foram adotadas em 2016 e reforçadas em 2017". Segundo o órgão, na edição de 2017, pela primeira vez, as provas foram personalizadas, com identificação do nome e número de inscrição do participante. Além disso, foi usado, de forma inédita, um detector de ponto eletrônico. Outros itens de segurança foram mantidos, como a identificarão biométrica, detector de metal nas portas dos banheiros; e escoltas para entrega das provas, inclusive, no retorno. O órgão conclui a nota, dizendo que novas medidas de segurança serão implementadas na edição de 2018.

Caso

A Polícia Federal iniciou a investigação da fraude na prova do Enem realizada em Salvador após a banca responsável pela correção das provas, realizadas no dia 5 de novembro de 2017, identificar que, na prova de redação, o candidato investigado plagiou a sinopse do livro “Redação de Surdos: Uma Jornada em Busca da Avaliação Escrita”.

A publicação é da autora Maria do Carmo Ribeiro e a sinopse está disponível em sites da internet. O tema da redação do Enem no ano passado era "Desafios para a Formação Educacional dos Surdos".

A polícia explicou que a partir da comunicação da suspeita à Polícia Federal foi instaurado inquérito policial e solicitada à Justiça Federal a expedição do mandado de busca, com o objetivo de localizar elementos de prova que levem ao esclarecimento completo da fraude.

A polícia informou ainda que após a conclusão do inquérito, se for comprovado que o investigado é culpado ele deverá ser indiciado pelo crime de fraude em certame de interesse público, previsto no artigo 311-A do Código Penal, cuja pena é de 1 a 4 anos de reclusão e multa.

Fonte: G1 BA

Publicidade
Compartilhe
Comentários
Publicidade
Publicidade
TJ Seguros
Publicidade
Publicidade
Publicidade
Publicidade
© ACONTECEU, TÁ NO MISÉRIA
Quer reproduzir nosso conteúdo no seu blog ou site? Estabeleça uma parceria clicando aqui.
Desenvolvido por Kleber Ferreira