Terça-feira
23 de Outubro de 2018
Publicidade
Publicidade
Terça-feira, 23 de Outubro de 2018
Publicidade
Publicidade
Mais barato

Banco Central quer custo menor no uso do cartão de débito

Em 25/01/2018 às 10:00
Compartilhar
O objetivo é baratear o custo do sistema - inclusive para o consumidor - e diminuir a quantidade de dinheiro em espécie que circula no País (Foto: Reprodução)

O Banco Central estabeleceu como uma de suas metas o aumento do uso de meios eletrônicos de pagamentos no Brasil. De acordo com o presidente da instituição, Ilan Goldfajn, isso passará pela redução no custo das operações com cartões de débito, o que já está sendo discutido entre o BC e as entidades que representam as empresas de cartões e o varejo. O objetivo é baratear o custo do sistema - inclusive para o consumidor - e diminuir a quantidade de dinheiro em espécie que circula no País.

"Estamos vendo qual é a figura total. A foto geral do sistema e onde temos de caminhar", afirmou Ilan ao Estadão/Broadcast. "Temos dois objetivos. Um é a redução do custo de crédito. Nesse caso, no cartão de débito, reduzir o custo é uma medida voltada para o lojista. O lojista reduz esse custo e isso chega para o cidadão", acrescentou.

O segundo objetivo, de acordo com Ilan, é incentivar o uso de instrumentos - como os cartões - que economizem a utilização de papel moeda. Isso faria o País gastar menos com a fabricação de cédulas e moedas e, de quebra, elevaria o controle sobre a circulação de recursos, coibindo atividades ilícitas.

"Achamos que pode ser interessante para o sistema, para a sociedade, usar menos papel moeda por algumas razões. No caso da lavagem de dinheiro, isso é uma contribuição válida do Banco Central, um esforço de segurança", afirma. Segundo Ilan, a redução do custo do cartão já faz parte da Agenda BC+, de metas de longo prazo da instituição. O aumento do uso de meios eletrônicos, para reduzir o uso de papel moeda e coibir ilícitos, também entrará na agenda.

Esse movimento do BC, apoiado pelo setor de cartões e do varejo, está em sintonia com uma tendência global. Outros países têm discutido a redução do uso de papel moeda para combater a lavagem de dinheiro e o pagamento de propinas a funcionários públicos. No Brasil, existem atualmente cerca de 25,5 bilhões de moedas em circulação e 6,125 bilhões de cédulas. No total, isso equivale a R$ 224 bilhões.

Ao mesmo tempo, com a medida, os gastos do País com a compra de notas - seja para reposição, seja para dar conta da demanda monetária - será menor. Em 2016, o Brasil gastou R$ 505,2 milhões para imprimir 1,062 bilhão de cédulas e 651 milhões moedas. Em 2017, o gasto chegou a R$ 625,3 milhões (1,116 bilhão de cédulas e 769 milhões de moedas). 

 

noticiasaominuto

Publicidade
Compartilhe
Comentários
Publicidade
Publicidade
Publicidade
Publicidade
Publicidade
Publicidade
Publicidade
© ACONTECEU, TÁ NO MISÉRIA
Quer reproduzir nosso conteúdo no seu blog ou site? Estabeleça uma parceria clicando aqui.
Desenvolvido por Kleber Ferreira