Mundo
Na Argentina
Caminhão com peça de telescópio brasileiro e argentino de US$ 8 milhões tomba perto de precipício
Compartilhar

Motorista passou mal por causa de altitude e perdeu a direção, mas sofreu apenas ferimentos leves (Foto: Reprodução/Twitter/LosAndesDiario)

Em 26/01/2018 às 17:40
Publicidade

Um caminhão que transportava uma peça de um telescópio avaliado em US$ 8 milhões, e que está sendo construindo em parceria entre Brasil e Argentina, tombou nesta sexta-feira (26) à beira de um precipício em Cuesta de Lipán, na Argentina.

O veículo, que estava a caminho de San Antonio de los Cobres, em Salta, ficou bastante destruído, mas o motorista sofreu apenas ferimentos leves e a peça, que pesa 16,5 toneladas e tem valor estimado em US$ 750 mil, não foi danificada.

Publicidade


Segundo o jornal argentino “Clarín”, a causa do acidente foi o motorista ter perdido a direção após sofrer um mal-estar, provocado pela altitude, já que o trecho onde o caminhão tombou está a mais de 4 mil metros acima do nível do mar.

Policiais foram chamados para vigiar o local até sábado, quando a peça deve ser removida e transportada por outro caminhão. Embora aparentemente não haja danos, especialistas irão realizar testes e uma análise mais aprofundada quando ela chegar a Salta.

Publicidade


A emissora Todo Notícias diz que as partes do telescópio, que vieram de diversos centros europeus, chegaram à Argentina em agosto de 2017, e saíram da cidade de Zarate há alguns dias. No total, o equipamento todo pesa 90 toneladas.

Ele é parte do projeto astronômico, científico e tecnológico Llama (Large Latin American Milimiter Array), e será usado para estudar a evolução do universo. A antena, com 12 metros de diâmetro, será instalada em Altos de Chorrillo, na puna (planalto da Cordilheira dos Andes), 4.825 metros acima do nível do mar, e permitirá estudar física solar e buracos negros, entre outros fenômenos do Universo.

A antena estará estrategicamente situada para poder fazer pesquisas coordenadas com uma rede de 60 antenas instaladas, no âmbito do projeto ALMA, do lado chileno do deserto do Atacama, por Estados Unidos, Canadá, Japão, Taiwan e países europeus.

Fonte: G1


Compartilhar

Publicidade
Mais do Site Miséria
Publicidade

Enquete
Você é a favor de leis mais rígidas sobre conservação do patrimônio histórico municipal?

Qual seu sexo?

timelineResultado Parcial
TV Miséria
Humor