Terça-feira
23 de Outubro de 2018
Publicidade
Publicidade
Terça-feira, 23 de Outubro de 2018
Publicidade
Publicidade
Economia

Governo deve cortar até R$ 21 bilhões do Orçamento de 2018

Em 30/01/2018 às 17:10
Compartilhar
Governo deve cortar até R$ 21 bilhões do Orçamento de 2018 (Foto: Reprodução/Internet)

O governo deverá anunciar ainda nesta semana um corte de até R$ 21 bilhões no Orçamento de 2018, segundo interlocutores da área econômica revelaram.

Desse total, R$ 13 bilhões seriam referentes a um bloqueio provisório para garantir o cumprimento da meta para as contas públicas neste ano, que é de déficit (resultado negativo) primário de até R$ 159 bilhões.

Além disso, poderão ser cancelados de forma definitiva até R$ 8 bilhões para cumprir a regra do teto de gastos, que limita que as despesas de um ano aumentem num percentual superior à da inflação registrada no ano anterior. (leia mais abaixo neste texto)

Se confirmado, será um dos menores bloqueios da história. De 2008 até 2016, o corte inicial de gastos na peça orçamentária, que tem por objetivo cumprir a meta de resultado primário fixada pelo governo para cada ano, nunca ficou abaixo de R$ 19,4 bilhões.

Em 2015, por exemplo, o bloqueio de gastos somou R$ 69,9 bilhões, o maior da história. Já em 2017, totalizou R$ 42,1 bilhões - aperto que provocou a paralisação de alguns serviços públicos, como a emissão de passaportes e ações de fiscalização do trabalho escravo.

Privatização da Eletrobras

De acordo com fontes da área econômica, esse bloqueio de cerca de R$ 13 bilhões será feito porque ainda não foi aprovado pelo Congresso Nacional o projeto de privatização da Eletrobras - o processo está travado por um decisão da Justiça.

O valor é um pouco superior aos R$ 12,2 bilhões que o governo prevê arrecadar com a privatização da estatal. Como a chegada desses recursos é incerta neste momento, ainda não poderão ser consideradas.

Dado o sinal verde para a privatização da Eletrobras pelo Legislativo, esses valores poderão voltar a ser incluídos como receita propriamente dita na peça orçamentária. Consequentemente, o governo pode liberar os gastos dos valores bloqueados.

Teto de gastos

Além do bloqueio de gastos para cumprir a meta para as contas públicas, também deverá ser anunciado o cancelamento de R$ 5 bilhões a R$ 8 bilhões em despesas no Orçamento deste ano. Neste caso, o objetivo é diferente: não utrapassar o limite imposto pelo teto de gastos públicos.

Ao contrário do bloqueio de despesas, de cerca de R$ 13 bilhões, esses valores não poderão ser recompostos no decorrer deste ano.

Esse cancelamento de gastos para cumprir a regra do teto é relativamente novo, pois o novo regime fiscal, que fixa um limite para as despesas públicas, começou a valer em 2017. No ano passado, foram cancelados R$ 4,69 bilhões para essa finalidade.

Posteriormente, o governo ainda bloqueou mais R$ 42 bilhões para tentar atingir a meta fiscal do último ano, além de ter anunciado, naquele momento, o aumento da tributação sobre combustíveis.

Crescimento X ajuste fiscal

Apesar da dificuldade do governo em aprovar os projetos de ajuste das contas públicas previstos para este ano, o Executivo também poderá contar, por outro lado, com mais receitas, estas decorrentes do crescimento da economia brasileira - cuja projeção é de uma alta de 3% em 2018.

As medidas de ajustes que o governo não conseguiu passar, até o momento, foram as seguintes:

- Adiamento do reajuste de servidores por um ano (vetado por liminar do STF);
- Mudança na tributação sobre fundos de investimentos (não passou em 2017, então não vale para 2018, pois há o princípio da anualidade);
- Cancelamento de reajustes de cargos comissionados;
- Reoneração da folha de pagamentos (em estágio inicial de discussão no Congresso Nacional);
- Aumento da alíquota previdenciária de servidores de 11% para 14% (vetado por liminar do STF).

Além do maior crescimento da economia, o reajuste menor do salário mínimo também gerou uma economia de cerca de R$ 3,4 bilhões para o governo federal em 2018. E deverão ser computados no orçamento, ainda, recursos de leilões de petróleo (que até o momento não foram considerados).

Publicidade
Compartilhe
Comentários
Publicidade
Publicidade
Publicidade
Publicidade
Publicidade
Publicidade
Publicidade
© ACONTECEU, TÁ NO MISÉRIA
Quer reproduzir nosso conteúdo no seu blog ou site? Estabeleça uma parceria clicando aqui.
Desenvolvido por Kleber Ferreira