Domingo
21 de Outubro de 2018
Publicidade
Publicidade
Domingo, 21 de Outubro de 2018
Publicidade
Publicidade
Saúde pública

Relatora no STF defende poder da Anvisa para proibir sabor em cigarros

Em 01/02/2018 às 16:20
Compartilhar
Rosa Weber afirmou que o tabagismo é uma doença e, por isso, defendeu a atuação dos órgãos públicos para evitar o vício (Foto: Reprodução)

A ministra Rosa Weber, do Supremo Tribunal Federal (STF), votou nesta quinta-feira (1º) em favor do poder da Agência Nacional de Vigilância Sanitária (Anvisa) de proibir adição de sabor e aroma em cigarros.

Em 2012, o órgão editou uma resolução proibindo o tratamento das folhas de tabaco com menta, cravo ou canela, por exemplo, sob o argumento de diminuir a atratividade do produto para o público jovem.

A Confederação Nacional da Indústria (CNI) questionou a norma e, em 2013, Weber, relatora da ação, concedeu uma decisão liminar (provisória) à entidade suspendendo a resolução, liberando provisoriamente a produção e venda dos cigarros com sabor.

Nesta quinta, ao iniciar o julgamento da ação no plenário, a ministra considerou primeiro os danos causados à saúde pelo cigarro. Disse ser “incontestável” o “prejuízo de elevada magnitude à saúde de seus usuários”.

Alertou que não há liberdade plena do fumante preso ao vício, considerando o tabagismo uma doença, o que exige atuação dos órgãos públicos. Daí o poder da Anvisa para proibir produtos que tragam risco à saúde.

“O risco à saúde associado a tais atividades justifica a sujeição do seu mercado a intensa regulação sanitária, tendo em vista o interesse público na proteção e na promoção da saúde”, afirmou a ministra.

Na ação, a CNI alegava que a agência não pode criar regras de forma geral, mas agir somente em situações específicas em caso de risco excepcional e urgente à saúde.

A decisão final sobre o assunto depende do votos dos outros 10 ministros do STF. Se a maioria votar em favor da Anvisa, a proibição do sabor ao cigarro volta a valer.

Divergência

No julgamento, divergiu da relatora o ministro Alexandre de Moraes, que votou pela liberação dos cigarros com aditivos.

Para ele, a Anvisa não pode substituir o Congresso na formulação de normas relacionadas ao cigarro, permitido pelas leis do país. Ele disse que a Anvisa não tem um “cheque em branco” para proibir outras modalidades de cigarro derivados do tabaco.

“A agência tem como função controlar e fiscalizar dentro dos parâmetros legais. Em momento algum, a legislação de criação da agência permitiu que ela proibisse qualquer espécie de produto derivado do tabaco. O que tratamos aqui é um produto específico, cigarro com aditivo”, disse o ministro.

Fonte: G1

Publicidade
Compartilhe
Comentários
Publicidade
Publicidade
Publicidade
Publicidade
Publicidade
Publicidade
Publicidade
© ACONTECEU, TÁ NO MISÉRIA
Quer reproduzir nosso conteúdo no seu blog ou site? Estabeleça uma parceria clicando aqui.
Desenvolvido por Kleber Ferreira