Domingo
19 de Agosto de 2018
Publicidade
Publicidade
Domingo, 19 de Agosto de 2018
Publicidade
Publicidade
Mercado financeiro

Bolsa brasileira tem 1ª queda semanal em 2018; dólar sobe

Em 02/02/2018 às 19:00
Compartilhar
O dólar comercial subiu 1,45%, para R$ 3,215 (Foto: Reprodução/ Notícias ao Minuto)

A preocupação com mudanças na condução da política monetária nos países desenvolvidos derrubou os principais mercados mundiais nesta sexta-feira (2) e provocou a primeira queda semanal da Bolsa brasileira neste ano.

O Ibovespa, índice das ações mais negociadas, caiu 1,70%, para 84.041 pontos. Na semana, a queda foi de 1,8% –a primeira baixa semanal desde a encerrada em 15 de dezembro.

O volume financeiro negociado foi de R$ 10,2 bilhões –no ano, a média diária está em R$ 9,7 bilhões.

O dólar comercial subiu 1,45%, para R$ 3,215. Na semana, a alta foi de 2,36%. O dólar à vista avançou 1,37%, para R$ 3,216 –avanço de 2,19% na semana.

A queda da Bolsa brasileira acompanhou um mau humor generalizado nos principais mercados. Na Europa, a Bolsa de Londres recuou 0,63%. Paris teve queda de 1,64%. Na Bolsa de Frankfurt, a desvalorização foi de 1,64%. Madri (-1,81%), Milão (-1,44%) e Lisboa (-1,61%) também terminaram em terreno negativo.

Nos Estados Unidos, os indicadores mais importantes afundaram. O Dow Jones, que reúne as ações mais negociadas, recuava 2,48% às 18h48 e caminhava para o pior dia desde 24 de junho de 2016 (-3,39%).

Também foi a pior semana para o índice em mais de dois anos, desde a encerrada em 8 de janeiro de 2016. 

O S&P 500 tinha queda diária de 1,92% no horário, enquanto a Nasdaq perdia 1,81%.

A piora nos mercados americanos e que acabou respingando no Brasil ocorreu após dados que confirmaram que o mercado de trabalho americano está sólido, com forte criação de vagas e alta nos salários que sinalizam que a inflação nos EUA vai acelerar em direção à meta de 2% ao ano estabelecida pelo Federal Reserve (Fed, banco central americano).

Foram criadas 200 mil vagas de trabalho fora do setor agrícola, ante 160 mil em dezembro, de acordo com dados do Departamento do Trabalho americano. O centro de expectativas de economistas consultados pela agência internacional Bloomberg era de geração de 180 mil postos de emprego. 

O desemprego se manteve em 4,1%, menor patamar em 17 anos.

"O noticiário lá fora pesou, com preocupação sobre o aperto monetário nos principais bancos centrais. Há sinalização de mudança no Japão e dúvidas sobre o Fed", afirma Mário Roberto Mariante, analista chefe da Planner Corretora.

Analistas esperam que o banco central americano eleve os juros três vezes neste ano, mas os dados mais fortes do mercado de trabalho desta sexta reforçaram a possibilidade de mais altas. Os juros das treasuries –títulos do governo americano– atingiram os maiores níveis em quatro anos cinco minutos após a divulgação dos dados de emprego. 

No mundo, o dólar reagiu e se valorizou ante 29 das 31 principais divisas do mundo.

O CDS (credit default swap, termômetro de risco-país) do Brasil subiu 4,2%, para 150,9 pontos. Foi a maior alta diária desde 20 de setembro de 2017.

No mercado de juros futuros, os contratos mais negociados tiveram desempenho misto. O contrato com vencimento em abril de 2018 recuou de 6,667% para 6,665%. Já o contrato para janeiro de 2019 subiu 6,805% para 6,835%.

AÇÕES

No mercado brasileiro, a sessão foi de baixa espalhada. Das 64 ações, 59 caíram. 

As únicas altas vieram das ações da Embraer, que liderou os ganhos do Ibovespa, com alta de 4,41%.

O avanço ocorreu após a Boeing sugerir a criação de uma empresa em conjunto com a brasileira para atuar no desenvolvimento de novas aeronaves civis e promover regionalmente a linha de jatos regionais da Embraer.

A FIbria avançou 1,84%. Usiminas (+0,85%), Suzano (+0,81%) e Cosan (+0,02%) também fecharam no azul.

Na ponta contrária, as ações da Via Varejo lideraram as perdas, com queda de 4,16%. A EcoRodovias caiu 4,13%, e a WEG perdeu 3,19%.

Depois de caírem quase 3%, as ações do Bradesco tiveram novo dia de desvalorização nesta sexta. Os papéis preferenciais recuaram 3,15%, e os ordinários caíram 2,49%.

As ações do Itaú Unibanco, que divulga seu balanço na próxima segunda (5), caíram 1,26%. Banco do Brasil recuou 1,36%, e as units –conjunto de ações– do Santander Brasil perderam 0,55%.

A Petrobras caiu mais de 2%, em dia de desvalorização do petróleo no exterior. As ações mais negociadas caíram 2,68%, para R$ 19,97. Os papéis com direito a voto tiveram baixa de 2,67%, para R$ 21,54.

As ações ordinárias da Vale se desvalorizaram 2,37%, para R$ 40,80. 

NoticiasaoMinuto

Publicidade
Compartilhe
Comentários
Publicidade
Publicidade
Publicidade
TJ Seguros
Publicidade
Publicidade
Publicidade
Publicidade
© ACONTECEU, TÁ NO MISÉRIA
Quer reproduzir nosso conteúdo no seu blog ou site? Estabeleça uma parceria clicando aqui.
Desenvolvido por Kleber Ferreira