Terça-feira
25 de Setembro de 2018
Publicidade
Publicidade
Terça-feira, 25 de Setembro de 2018
Publicidade
Publicidade
Em Frei Martinho

Nome de prefeito aparece em lista de concurso para recepcionista da própria prefeitura, na PB

Em 24/02/2018 às 10:30
Compartilhar
Nome do prefeito de Frei Martinho aparece no edital de convocação para provas objetivas. (Foto: Reprodução/Contemax)

O nome prefeito de Frei Martinho, no Curimataú paraibano, está na lista dos candidatos a uma das vagas do concurso público realizado pelo próprio município. O nome de Aguifaildo Lira Dantas (PSD) consta na relação de candidatos que vão fazer as provas, como concorrente a uma vaga para recepcionista, que oferece um salário de R$937. Segundo o Sagres, atualmente o prefeito recebe de R$14 mil por mês, como gestor. O prefeito diz que a inscrição foi feita por outra pessoa que usou os dados dele.

O concurso já está na fase de convocação para as provas objetivas e o nome do prefeito aparece na inscrição de número 1.806. O prefeito foi convocado para fazer a prova neste domingo (25), a partir das 8h. O documento do edital de convocação onde consta o nome do prefeito foi assinado eletronicamente por ele mesmo.

Procurado pela reportagem, o prefeito de Frei Martinho, Aguifaildo Lira Dantas, afirmou que inscrição foi feita e paga ´com má fé´ por desconhecido usando seus dados. “Como sou um homem públicos, meus dados estão disponíveis na internet. Alguém, por maldade, fez minha inscrição e pagou. Quando tomei conhecimento, imediatamente fiz um requerimento pedindo o cancelamento da inscrição e fiz uma Boletim de Ocorrência na Polícia Civil”, disse ele.

Segundo com o edital do concurso público, para o cargo de recepcionista, ao qual o prefeito concorre, estão sendo oferecidas duas vagas, para candidatos de nível fundamental. A carga horária é de 40 horas semanais e o salário oferecido é de R$ 937.

De acordo com o advogado e professor de direito administrativo Alberto Jorge, apesar do caso ser inusitado, não existe uma proibição legal para o ato. Porém, o advogado destaca que o caso abre uma suspeita de afronta ao princípio da moralidade.

"A situação é incomum e poderia ser questionada quanto à possível afronta ao princípio da poralidade podendo desencadear, em tese, numa conduta improba conforme dicção do art. 11 da Lei 8.429/92, sendo necessário contudo, a apuração da existência de má-fé do agente para só aí restar caracterizado ou não a improbidade".

Após perceber inscrição, prefeito fez boletim de ocorrência e requerimento pedindo cancelamento. (Foto: Aguifaildo Dantas/Arquivo Pessoal)


Fonte: G1 PB

Publicidade
Compartilhe
Comentários
Publicidade
Publicidade
Publicidade
TJ Seguros
Publicidade
Publicidade
Publicidade
Publicidade
© ACONTECEU, TÁ NO MISÉRIA
Quer reproduzir nosso conteúdo no seu blog ou site? Estabeleça uma parceria clicando aqui.
Desenvolvido por Kleber Ferreira