Nordeste
Atuação
MPF recomenda que Cremepe fiscalize comprovação de especialidade por médicos
Compartilhar

Atuação do MPF decorre de investigação criminal instaurada para apurar a conduta de médico que divulgou especialidade de oftalmologista, sem o registro junto ao conselho (Foto: Reprodução/ Google)

Em 28/02/2018 às 07:15
Publicidade

O Ministério Público Federal (MPF) em Pernambuco (PE) expediu recomendação para que o Conselho Regional de Medicina de Pernambuco (Cremepe) adote providências para que haja fiscalização e controle de condutas de médicos que vêm divulgando especialidades sem prévio registro da qualificação junto à entidade. A responsável pelo caso é a procuradora da República Silvia Regina Pontes Lopes.

A atuação do MPF decorre de investigação criminal de suposta omissão e previcação, por parte de membros do Cremepe, no julgamento de sindicância instaurada para apurar a conduta de médico que divulgou e carimbou especialidade de oftalmologista, sem o registro junto ao conselho. A procuradora da República reforça que resolução do Conselho Federal de Medicina (CFM) veda esse tipo de divulgação, “para combater a mercantilização da medicina, induzindo o paciente com anúncios que não refletem efetivamente a formação ou a capacidade técnica do profissional”.   

Publicidade


Na recomendação, o MPF requer que o Cremepe busque regularizar a situação do médico que gerou a investigação, no prazo de 30 dias. Recomenda, ainda, que o conselho encaminhe ofícios aos hospitais públicos e privados da Região Metropolitana do Recife, solicitando a listagem dos médicos declarados especialistas, de modo a fiscalizar e controlar a efetivação dos registros dos profissionais. O prazo para regularização será de seis meses. Também deverão ser expedidos ofícios para que futuras contratações de médicos com especialidades, sob qualquer regime jurídico, somente sejam realizadas com a certificação do título e registro prévio junto ao Cremepe.

O Cremepe deverá informar sobre o acatamento da recomendação em 10 dias, a partir do recebimento do documento. No caso do não acatamento, o MPF poderá adotar as medidas administrativas e judiciais cabíveis.

Publicidade


Assessoria de Comunicação


Compartilhar

Publicidade
Mais do Site Miséria
Publicidade

Enquete
Você acha que deve haver leis mais duras para quem agride animais no Brasil?

Qual seu sexo?

timelineResultado Parcial
TV Miséria
Humor