Política
Mudança
Fernando Segovia é demitido do comando da Polícia Federal
Compartilhar

O delegado Fernando Segovia, demitido do comando da PF (Foto: Reprodução)

Em 28/02/2018 às 09:00
Publicidade

Horas depois de ter a Polícia Federal sob seu comando no recém-criado Ministério da Segurança Pública, o ministro Raul Jungmann resolveu mudar a chefia da corporação. O delegado Fernando Segovia deixa o cargo de diretor-geral da PF. Para o seu lugar foi indicado o delegado Rogério Galloro. A informação foi confirmada em nota do novo ministério, que não comenta, entretanto, a demissão de Segovia, que ficou pouco mais de três meses no posto.

Durante seu período à frente da PF, o delegado protagonizou episódios polêmicos. No momento de maior crise, Fernando Segovia teve que se explicar ao ministro Luís Roberto Barroso, do Supremo Tribunal Federal, uma declaração à agência Reuters em que sugeria que a tendência do órgão era recomendar o arquivamento do inquérito contra o presidente Michel Temer (MDB), no caso do Decreto dos Portos.

Publicidade


O delegado afirmou ainda que poderia abrir investigação interna para apurar a conduta do delegado Cleyber Malta Lopes, responsável pelo inquérito. O motivo seriam os questionamentos enviados a Temer no caso. Na ocasião, a defesa do presidente disse que as perguntas colocavam em dúvida a “honorabilidade e a dignidade pessoal” do presidente.

Na segunda-feira (27), a procuradora-geral da República, Raquel Dodge, ameaçou pedir o afastamento de Fernando Segovia caso o delegado voltasse a se manifestar sobre inquéritos. Nesta terça, na mesma decisão em que prorrogou em 60 dias o prazo para conclusão do inquérito sobre Temer, Barroso negou o pedido da PGR para que Segovia fosse proibido de se manifestar sobre a investigação. Para o ministro, o delegado já havia assumido este compromisso.

Publicidade


Troca

Segundo fontes do Planalto, Jungmann pediu ao presidente Michel Temer (MDB) na segunda (26) para substituir Segovia e lembrou que tinha atuado com Galloro quando ele coordenou as forças da Polícia Federal na segurança da Copa de 2014 e das Olimpíadas de 2016. De acordo com um interlocutor, Temer perguntou qual seria o destino de Segovia e foi informado que o então diretor da PF seria transferido para ser adido da corporação nos Estados Unidos.

De acordo com auxiliares do presidente, o ministro argumentou que precisava fazer uma nova composição na pasta recém-criada e pediu aval de Temer. Nesta terça-feira (27), na cerimônia de posse de Jungmann na Segurança Pública e sentando na terceira fileira de convidados, Segovia foi um dos puxadores dos aplausos ao novo ministro após seu discurso.

Após a cerimônia de posse, Temer foi questionado sobre o papel do Ministério da Segurança em relação ao comando a Polícia Federal e a possibilidade de atrapalhar o trabalho da operação Lava Jato, e disse que isso “vem sendo tranquilamente levado a adiante”. “Não há um movimento sequer com vistas à interrupção da operação”, completou.

 

veja


Compartilhar

Publicidade
Mais do Site Miséria
Publicidade

Enquete
Você é a favor de leis mais rígidas sobre conservação do patrimônio histórico municipal?

Qual seu sexo?

timelineResultado Parcial
TV Miséria
Humor