Esporte
Diz Jornal
Reunião "tensa" entre PSG e seleção definiu operação de Neymar
Compartilhar

Segundo diário francês, PSG não queria que seu principal jogador fosse operado, mas foi convencido pelo médico da seleção brasileira e pelo estafe do craque (Foto: Reprodução)

Em 02/03/2018 às 11:30
Publicidade

A confirmação de que Neymar passará por cirurgia no pé parece ter criado um novo problema interno entre o jogador e a diretoria do Paris Saint-Germain. De acordo com informações do jornal francês L’Equipe, a reunião para a definição do tratamento do atacante teve momentos “tensos” devido ao conflito de interesses e a divergência de opiniões. No fim, pesou a opinião do médico da seleção brasileira, Rodrigo Lasmar.

A publicação francesa informou que participaram da reunião Eric Rolland, médico do PSG, Rodrigo Lasmar e Gerrard Saillant, médico francês conhecido por ter operado Ronaldo, em 2000, que supervisionará o processo. Especula-se que o dono do clube, Nasser Al-Khelaifi, e o pai do jogador brasileiro também estavam presentes.

Publicidade


O grande ponto de divergência entre as partes envolvidas foi em relação ao procedimento cirúrgico. Enquanto o Paris Saint-Germain teria optado por avaliar todos os cenários possíveis para ter o brasileiro em campo para a partida diante do Real Madrid, pela Liga dos Campeões, o médico da seleção e o estafe de Neymar teriam pressionado o clube para a rápida cirurgia visando eliminar qualquer possibilidade de não ter o camisa 10 em plenas condições para a Copa do Mundo, sua prioridade.

Um dos momentos de maior “tensão” na sala de reuniões teria sido motivada pelo questionamento de Rodrigo Lasmar em relação a postura adotada pelo PSG para confirmar a fratura no metatarso do pé direito. As primeiras notícias eram de uma fissura e fizeram o técnico Unai Emery levantar possibilidades de Neymar atuar contra o Real. O treinador espanhol ainda tratou as notícias sobre a cirurgia como “falsas”.

Publicidade


Depois de exames e da reunião, o PSG cedeu à pressão e Neymar será operado neste sábado, em Belo Horizonte, com a expectativa de recuperação entre dois meses e meio e três meses. A decisão, porém, não foi bem aceita pelo clube, que tratou o fato como mais uma derrota na queda de braço com Neymar e um possível indício de que o futuro do jogador seja longe de Paris na próxima temporada.

 

veja


Compartilhar

Publicidade
Mais do Site Miséria
Publicidade

Enquete
Você acha que deve haver leis mais duras para quem agride animais no Brasil?

Qual seu sexo?

timelineResultado Parcial
TV Miséria
Humor