Quarta-feira
20 de Junho de 2018
Publicidade
Publicidade
Quarta-feira, 20 de Junho de 2018
Publicidade
Publicidade
Caso Eliza Samudio

Após deixar penitenciária, Macarrão diz que ganância motivou participação no crime

Em 03/03/2018 às 12:15
Compartilhar
Macarrão ao lado da advogada: Justiça concedeu quinta-feira (1º) progressão da pena para o regime aberto domiciliar (Foto: Reprodução/TV Integração)

Luiz Henrique Ferreira Romão, o Macarrão, de 32 anos, disse nesta sexta-feira (2) que participou do crime envolvendo a morte da modelo Elisa Samudio, em 2010, por ganância. "Infelizmente não tem como voltar atrás. Porque, se pudesse voltar atrás, eu voltaria. [...] Acho que qualquer ser humano tem que ter uma segunda chance."

A declaração foi feita na primeira entrevista de Macarrão concedida após deixar o Complexo Penitenciário Doutor Pio Canedo, em Pará de Minas. Após oito anos da condenação, ele agora cumpre o restante da pena em regime aberto domiciliar.

"Quero deixar bem claro que as pessoas que me conheceram no passado, que me conhecem hoje, sabem que eu não sou um criminoso. Infelizmente, eu tive envolvimento num crime. A vida que eu tinha que me trouxe a ganância. O que me levou a isso foi a ganância", disse.

Progressão da pena

Macarrão conseguiu da Justiça autorização para cumprir a pena em regime aberto domiciliar na última quinta-feira (1º). A saída da penitenciária era esperada para o mesmo dia, mas um erro no sistema de informação do judiciário fez com que constasse a existência em aberto de um mandado de prisão já cumprido contra Macarrão. Após corrigida a falha, um novo alvará de soltura foi expedido nesta sexta-feira e cumprido por volta das 22h30.

Segundo decisão judicial, a alternativa do regime aberto domiciliar foi concedida porque não existe um albergue em Pará de Minas para que a sentença seja cumprida de outra forma.

Luiz Henrique Ferreira Romão foi condenado em novembro de 2012 a 15 anos de prisão em regime fechado por homicídio triplamente qualificado – motivo torpe, asfixia e uso de recurso que dificultou a defesa da vítima, a modelo Eliza Samudio – e mais três anos em regime aberto por sequestro e cárcere privado.

A Justiça considerou que ele agiu junto com o goleiro Bruno Fernandes, com quem Eliza Samudio teve um filho. Na época, o jogador era titular do Flamengo e não reconhecia a paternidade. O jogador foi condenado pelo crime em março de 2013.

Em 2016, Macarrão obteve progressão da pena para o regime semiaberto e como a penitenciária onde estava, a Nelson Hungria, em Contagem, só aceitava o fechado, a defesa pediu a transferência dele para uma cidade do interior de Minas. Na época, foi alegado que ele tinha parentes em Pará de Minas.

Recomeço

Ao deixar a unidade prisional, Macarrão disse que passaria a noite na casa de parentes. Na cidade mineira, ele trabalha em uma igreja evangélica e faz um curso profissionalizante.

"Voltar atrás não tem como, mas tem como eu recomeçar. Isso é meu direito, é seu direito, de qualquer um que pode errar. Todo mundo está passivo de erro. Então eu creio que estou recomeçando e isso é desde 2012", declarou.

Um dia antes do cumprimento do alvará, na quinta-feira, Macarrão havia falado ao MGTV que a amizade com o goleiro Bruno havia terminado.

Ele também disse que não manteve a amizade com Bruno Fernandes durante a prisão.

"Desejo tudo de bom para o Bruno. Que Deus abençoe ele sempre, mas ele segue a vida dele lá e eu venho seguindo minha vida aqui", disse.

Fonte: G1

Publicidade
Compartilhe
Comentários
Publicidade
Publicidade
Publicidade
TJ Seguros
Publicidade
Publicidade
Publicidade
Publicidade
© ACONTECEU, TÁ NO MISÉRIA
Quer reproduzir nosso conteúdo no seu blog ou site? Estabeleça uma parceria clicando aqui.
Desenvolvido por Kleber Ferreira