Economia e Negócios
Câmbio
Dólar sobe 1% e volta a se aproximar de R$3,25 com temor de guerra comercial global
Compartilhar

(Foto: Reprodução/ Terra)

Em 07/03/2018 às 18:40
Publicidade

O dólar devolveu praticamente toda a queda da véspera ao fechar a quarta-feira em alta de 1 por cento ante o real, com maior temor sobre risco de guerra comercial global após o principal assessor econômico da administração do presidente dos Estados Unidos, Donald Trump, deixar o cargo.

O dólar subiu 1,05 por cento, a 3,2441 reais na venda, depois de recuar 1,16 por cento na véspera. Na máxima da sessão, a moeda norte-americana marcou 3,2494 reis. O dólar futuro tinha elevação de cerca de 1 por cento.

Publicidade


"A saída de Gary Cohn... é um sinal preocupante, pois ele, democrata e ex-banqueiro da Goldman Sachs, era um mínimo sinal de razão em meio à loucura do governo Trump", trouxe a gestora Infinity em relatório.

Cohn, banqueiro de Wall Street que se tornou personagem fundamental da reforma tributária dos Estados Unidos em 2017 e uma das bases contra forças protecionistas no governo de Donald Trump, renunciou na véspera.

Publicidade


A renúncia ocorreu depois que Trump disse que vai impor altas tarifas sobre importações de aço e alumínio. A promessa já havia aumentado a especulação de que Cohn poderia deixar a Casa Branca devido à sua oposição a essa política.

Na véspera, em meio à repercussão negativa da medida inclusive entre os Republicanos, partido de Trump, o mercado chegou a avaliar que a taxação seria apenas uma retórica para conseguir negociação mais favorável aos Estados Unidos no acordo sobre o Nafta.

"O mercado tinha melhorado claramente ontem com a possibilidade de o governo Trump rever sua política em relação ao aço. Mas ficou claro que ele não vai rever essa posição, no que depender dele, reafirmando intenção protecionista", disse o economista da corretora Nova Futura, Pedro Paulo Silveira.

Nesta tarde, a Casa Branca informou que o anúncio das tarifas de importação de aço e alumínio deve acontecer até o final da semana. Europa e Fundo Monetário Internacional (FMI) pediram que Trump evite uma guerra comercial, enquanto a China levou suas preocupações à Organização Mundial do Comércio.

No exterior, o dólar rondava a estabilidade ante uma cesta de moedas e subia sobre moedas de países emergentes, como o peso chileno e o rand sul-africano.

O Banco Central brasileiro não anunciou intervenção para o mercado cambial nesta quarta-feira. Em abril, vencem 9,029 bilhões de dólares em swaps cambiais tradicionais, equivalentes à venda de dólares no mercado futuro.

Terra


Compartilhar

Publicidade
Mais do Site Miséria
Publicidade

Enquete
Você acha que deve haver leis mais duras para quem agride animais no Brasil?

Qual seu sexo?

timelineResultado Parcial
TV Miséria
Humor