Quarta-feira
21 de Novembro de 2018
Publicidade
Publicidade
Quarta-feira, 21 de Novembro de 2018
Publicidade
Publicidade
Abastecimento

Nível das reservas hídricas do Ceará já é preocupante

Em 21/08/2018 às 06:20
Compartilhar
O Castanhão, maior açude do Estado, está com 6,99% para o Vale do Jaguaribe e RMF (Foto: Reprodução)

O Ceará acumula em suas reservas hídricas 14,9% nos 155 açudes monitorados pela Companhia de Gestão dos Recursos Hídricos (Cogerh). Há 23 reservatórios em situação de volume morto e 12 estão secos. Outros 12 estão acima de 90% e 90 abaixo de 30%. A situação é considerada crítica e tende a piorar nos próximos meses por causa da evaporação e maior consumo decorrente do aumento de temperatura no sertão cearense.

No fim da quadra chuvosa (fevereiro a maio) o nível médio dos reservatórios era de 17,2%. Em comparação com igual período de 2017, houve uma pequena melhora, pois em 31 de maio daquele ano, as reservas acumulavam 12,6%.



Das 12 bacias hidrográficas que integram o Ceará a situação mais crítica é a do Médio Jaguaribe (6,93%), Alto Jaguaribe (8,83%), Banabuiú (9,03%) e Sertões de Crateús (9,27%). A maior reserva está na Litorânea que acumula (75,04%).

Preocupação

A preocupação mais uma vez é com o Açude Castanhão, que é o maior do Estado, e tem reserva de água em torno de 6,99% para atender à demanda de parte do Médio, todo o Baixo Jaguaribe e suporte para a Região Metropolitana de Fortaleza (RMF). No fim da quadra chuvosa deste ano, o Castanhão acumulava 8,44%. Em igual período de 2017, o nível era de 5,7%. No início deste ano estava com 5,06%. O nível mais baixo foi registrado em 22 de fevereiro, com 2,08%.

No entanto, os dados mostram que a RMF estava, em 31 de maio de 2017, em torno de 33,6% e, neste ano, em igual período, registrou 33,4%, uma pequena redução. Entretanto, o baixo nível dos reservatórios Castanhão e Orós impedem a transferência de grandes volumes para a Capital.

Há dificuldades para atender à demanda em municípios da Bacia do Médio e do Baixo Jaguaribe. Cidades como Russas, Quixeré, Palhano e Jaguaruna dependem de água de poços rasos, perfurados em áreas de aluviões. "O Castanhão tem mais água do que em 2017, mas é um sufoco para atender à demanda de várias cidades", observou o regional do escritório da Cogerh, em Limoeiro do Norte, Francisco de Almeida Chaves.

O segundo maior reservatório do Ceará, o Orós tem apenas 8,3% de sua capacidade. No fim da quadra chuvosa deste ano estava com 10,4% e em igual período de 2017 acumulava 9,5%. O açude tem o papel de abastecer diversas comunidades na região do Médio Jaguaribe, dentre elas, Nova Floresta, Feiticeiro e Mapuá, em Jaguaribe; e Jaguaribara. "Após retificação do leito do riacho Feiticeiro e instalação de uma adutora para aquela comunidade, será preciso liberar água do Orós para atender à demanda de moradores daquela região", frisou Almeida Chaves. "Não há uma data definida, mas é preciso que seja logo".

As cidades de Mombaça, Pereiro e Boa Viagem são as que continuam em situação mais crítica porque os açudes que abasteciam aqueles centros urbanos continuam secos - Serafim Dias, Adauto Bezerra e Vieirão, respectivamente. Além da distribuição de água por carros-pipa, houve perfuração de poços profundos, na tentativa de ampliar a oferta de água para os moradores.

Iguatu é o maior centro urbano do Centro-Sul do Ceará, com população estimada, em 2017, de 102.614 pessoas, pelo Instituto Brasileiro de Geografia e Estatística (IBGE). A cidade e parte da área rural, além de Acopiara, são abastecidos pelo Açude Trussu, que vem perdendo reserva desde 2012. Atualmente acumula 6,0%, mas, no fim da quadra chuvosa deste ano, estava com 7,2% e na mesma data em 2017, acumulava 12,1%.

Qualidade

A qualidade da água do Trussu está ficando cada vez pior e o temor é que, a partir de novembro, não tenha mais condições de captação para atender à demanda de Iguatu e Acopiara. Técnicos do Serviço Autônomo de Água e Esgoto (SAAE) já realizaram limpeza de poços antigos e perfuraram novos no leito do Rio Jaguaribe como alternativa de oferta de água e a Prefeitura tenta obter recursos com o governo do Estado para evitar problemas no abastecimento a partir de dezembro. A situação de Iguatu foi considerada confortável até o início deste ano, mas, após oito anos seguidos de perda de reserva, o Trussu dá sinais de esgotamento e a cidade enfrenta a expectativa de crise.

O chefe local do Departamento Nacional de Obras Contra as Secas (Dnocs), Cléber Cavalcante, disse que, dentre os açudes do Órgão no Ceará, o Trussu é o que está em situação mais calamitosa. Segundo o gerente regional da Cogerh, Anatarino Torres, a situação do Trussu é realmente preocupante. "Desde 2012 que o açude Trussu vem perdendo água, obtendo recargas reduzidas, que se agravaram nos últimos dois anos. O reservatório depende de chuvas no Município de Acopiara, e em parte de Jucás e Saboeiro, pois Iguatu pouco contribuiu com a sua bacia", explica.

O reservatório, no fim deste ano, deverá chegar a aproximadamente 3%, conforme projeção do escritório regional Cogerh. A projeção para fevereiro de 2019 é de 2,7%. A demanda somente para Iguatu é de 750m³/h. "Hoje, nós somos reféns da próxima quadra chuvosa", frisou Anatarino Torres.

O terceiro maior reservatório do Ceará, o Banabuiú, chegou, em março passado a 0,4%, um nível crítico, que perdurou ao longo de 2017, mas, em abril deste ano, houve recarga e o reservatório terminou a quadra chuvosa com 7%. Um alívio para o quadro de baixo volume.

Fonte: Diário do Nordeste

Publicidade
Compartilhe
Comentários
Publicidade
Publicidade
Publicidade
TJ Seguros
Publicidade
Publicidade
Publicidade
Publicidade
© ACONTECEU, TÁ NO MISÉRIA
Quer reproduzir nosso conteúdo no seu blog ou site? Estabeleça uma parceria clicando aqui.
Desenvolvido por Kleber Ferreira