Economia e Negócios
213 empresas
Exportadoras no Estado crescem 4,4% em 20 anos
Em 22/08/2018 às 07:20

De acordo com os dados mais recentes do Mdic, os semimanufaturados de ferro ou aço não ligado são os principais produtos exportados (Foto: Reprodução)

Compartilhar

O número de empresas exportadoras no Ceará passou de 204 em 1998 para 213 em 2018, o que representa um levíssimo crescimento de 4,4% em 20 anos. Os dados são do Ministério da Indústria, Comércio Exterior e Serviços (Mdic). Entre as empresas encontradas no cadastro disponibilizado Mdic se destacam os negócios exportadores de calçados, sendo 19 no Ceará, considerando os de material sintético e couro. O segmento de cultivo de plantas, frutas e flores conta com nove negócios exportadores.

De acordo com os dados de julho deste ano, as exportações do Ceará apresentaram crescimento de 0,9% na comparação com junho, somando US$ 246,4 milhões. A balança comercial do Estado, no entanto, encerrou o sétimo mês de 2018 com déficit de US$ 29 milhões e, no acumulado do ano, o saldo negativo foi de US$ 305 milhões.

Com forte impacto da operação da Companhia Siderúrgica do Pecém, os principais produtos exportados foram os semimanufaturados de ferro ou aço não ligado (US$ 735,5 milhões). Em seguida, aparecem os calçados com sola exterior e parte superior de borracha ou plástico (US$ 95 milhões) e os cocos, castanhas do Brasil, castanhas de caju, frescos ou secos, com US$ 54,4 milhões.

No Brasil existiam, em 1998, pouco menos de 19 mil empresas exportadoras. Passados 20 anos, o número brasileiras negociando com mercados internacionais saltou para 25,4 mil no ano passado, crescimento de 60%. Analisando por faixa de valor exportado, o maior crescimento foi observado no número de empresas que venderam entre US$ 10 milhões e US$ 50 milhões: eram 611 em 1998 e chegaram a 1.373 em 2017, aumento de 124%.

O levantamento desse dado é da Rede de Centros Internacionais de Negócios (Rede CIN), coordenada pela Confederação Nacional da Indústria (CNI). A Rede CIN foi criada em 1998 para apoiar a indústria brasileira na inserção ao comércio internacional, como estratégia de competitividade e sustentabilidade dos negócios. Em duas décadas, o Brasil conquistou 50 novos mercados e passou a exportar o que antes comprava de fora, como trigo. De acordo com a CNI, a importância do tema não se restringe ao caixa das empresas, tendo impacto também na economia do País.

De acordo com a CNI, nos últimos períodos de recessão - 2001 a 2002, 2008 a 2009, 2014 a 2017 - todos os indicadores macroeconômicos do Brasil, como Produto Interno Bruto (PIB, soma de todos os bens e serviços produzidos no país), inflação e desemprego, pioraram. "Só o comércio exterior cresceu nesse período", informou a entidade, explicando que muitas empresas recorrem às vendas internacionais durante períodos de turbulência no mercado doméstico.

Rede CIN

Em 2017, a Rede CIN recebeu recursos da União Europeia, por meio do programa AL-Invest, para desenvolver um novo modelo de atendimento às empresas que buscam se internacionalizar, o Rota Global. Na execução do piloto do programa, 560 empresas industriais, agrícolas e de serviço passaram por um diagnóstico gratuito que avaliou a maturidade da empresa para atuar lá fora.

Destas, 406 receberam planos de negócios customizados às suas necessidades para dar os passos necessários rumo ao comércio exterior. A maioria dos participantes são micros e pequenos negócios.

Fonte: Diário do Nordeste

Compartilhar

Mais do Site Miséria

Enquete
Qual tipo de notícia regional você quer acompanhar com mais frequência no Site Miséria?

Qual seu sexo?

timelineResultado Parcial
TV Miséria
Humor