Ciência e Saúde
Uso seguro
Substância da maconha é detectada no leite materno após 6 dias do uso
Em 27/08/2018 às 14:50

O consumo diário, semanal ou esporádico da maconha foi detectado e analisado em 50 mulheres grávidas e mães que amamentam (Foto: Reprodução/ Notícias ao Minuto)

Compartilhar

Um estudo publicado na revista ´Pediatrics´ nesta segunda-feira (27) aponta que o THC, principal substância psicoativa da maconha, foi encontrado em 63% das amostras de leite materno, mesmo após seis dias de uso. A pesquisa foi financiada pelos Institutos Nacionais de Saúde dos Estados Unidos (em inglês, NIH) e pela Gerber Foundation, segundo o G1.

O consumo diário, semanal ou esporádico da maconha foi detectado e analisado em 50 mulheres grávidas e mães que amamentam - sendo a inalação a principal forma de uso. Das 54 amostras de leite coletadas, 63% apresentaram THC até seis dias após o uso da planta. O estudo aponta que os compostos ativos da maconha (cabinóides) têm preferência por fazer ligações com moléculas de gordura, presentes no leite materno. Por esta razão, a Academia Americana de Pediatria não recomenda que as mulheres usem a maconha em nenhum das duas situações.

"Descobrimos que a quantidade de THC que uma criança poderia potencialmente ingerir por meio do leite materno é relativamente baixa, mas ainda não sabemos dizer se há uma dose segura para os bebês", disse Christina Chambers, principal autora do estudo e professora da Universidade da Califórnia, em San Diego.

A Organização Mundial da Saúde (OMS) recomenda que a amamentação seja feita de forma exclusiva para o bebê até os seis meses de idade. A partir dos 6 meses, todas as crianças devem receber alimentos complementares e manter o aleitamento materno, e devem continuar a ser amamentadas, pelo menos, até completarem os 2 anos de idade.

NoticiasaoMinuto

Compartilhar

Mais do Site Miséria

Enquete
Qual tipo de notícia regional você quer acompanhar com mais frequência no Site Miséria?

Qual seu sexo?

timelineResultado Parcial
TV Miséria
Humor