Domingo
23 de Setembro de 2018
Publicidade
Publicidade
Domingo, 23 de Setembro de 2018
Publicidade
Publicidade
Tragédia

Porto Rico eleva de 64 para 2.975 nº de mortos em Furacão

Em 29/08/2018 às 08:50
Compartilhar
Túmulos destruídos por furacão Maria em Lares, Porto Rico 8/2/2018 REUTERS/Alvin Baez (Foto: Reprodução/ Terra)

 O governo de Porto Rico, território americano no Caribe, elevou de 64 para 2.975 o número de mortos após a passagem do furacão Maria, em setembro do ano passado. O novo balanço foi anunciado nesta terça-feira, 28, após os resultados de estudos comissionados por autoridades locais apontarem mais óbitos que aqueles inicialmente contabilizados. A medida também põe fim à polêmica envolvendo a cifra oficial.

"Estou dando uma ordem para atualizar o número de mortos oficiais para 2.975", disse o governador de Porto Rico, Ricardo Rosselló. Horas antes, estudo da Universidade de George Washington apontou a cifra, obtida a partir de comparações com dados de mortalidades em circunstâncias normais e mortes documentadas após a tempestade. "Essa é uma devastação sem precedentes"

As mortes contabilizadas incluem as direta e indiretamente causadas pelo furacão Maria. Nas semanas seguintes ao desastre, a população porto-riquenha sofreu com a falta de alimentos, água tratada, gasolina e outros insumos básicos. Idosos e doentes que dependiam de energia elétrica para respiradores, equipamentos de diálise e resfriadores de insulina também foram afetados.

Patrocinado pelo governo de Porto Rico, o estudo detalha o "plano desatualizado" das agências de emergências do governo local, que não se planejou para lidar com furacões e tempestades maiores que a categoria 1. O furacão Maria foi classificado na categoria máxima, 5. O estudo também apontou a falta de equipamentos médicos necessários para certificar o número correto de óbitos neste tipo de desastre.

Rosselló afirmou que criará uma comissão para implementar as recomendações e corrigir as falhas apontadas pelo documento. Além disso, disse que o governo registrará as pessoas que podem ficar em situações mais vulneráveis durante as tempestades, como usuários de equipamentos de diálise.

"Como governador, assumo a responsabilidade que me compete", disse Rosselló. "Mas há responsabilidades em todas as partes", completou, referindo-se ao presidente Donald Trump, a quem pediu ajuda financeira logo após a passagem do furacão.

À época, o presidente foi fortemente criticado por sua demora em responder ao pedido do governo porto-riquenho, considerando a agilidade na liberação de recursos ao Texas e à Flórida após as passagens dos furacões Harvey (2016) e Irma (2017).

Ao comentar sobre o novo balanço de mortes, a porta-voz da Casa Branca, Sarah Huckabee Sanders afirmou que a passagem do Maria provocou "a maior missão de resposta a desastres domésticos na história" e disse que o presidente Trump "continua orgulhoso do trabalho do governo federal no auxílio aos cidadãos de Porto Rico". Sanders completou dizendo que a Casa Branca "continuará a apoiar" o governador Rosselló e que "o povo americano, incluindo aqueles em luto, não merecem menos".

A atualização de mortos põe fim à polêmica envolvendo a cifra oficial. Inicialmente estipulada em 64 mortos, o balanço do governo foi questionado pela imprensa por quase um ano por ser considerado baixo demais após a passagem do furacão Maria, que atingiu ventos de 250 km/h.

Terra

Publicidade
Compartilhe
Comentários
Publicidade
Publicidade
Publicidade
Publicidade
Publicidade
Publicidade
Publicidade
© ACONTECEU, TÁ NO MISÉRIA
Quer reproduzir nosso conteúdo no seu blog ou site? Estabeleça uma parceria clicando aqui.
Desenvolvido por Kleber Ferreira