Terça-feira
25 de Setembro de 2018
Publicidade
Publicidade
Terça-feira, 25 de Setembro de 2018
Publicidade
Publicidade
Boicotando a nova Gestão

Denúncia: Prefeita afastada de Jati diz que voltará ao poder e tenta coagir servidores

Por João Boaventura Neto
Em 03/09/2018 às 00:15
Compartilhar
Prefeita afastada de Jati, Maria de Jesus Diniz Nogueira, conhecida como Neta (Foto: Reprodução/Redes sociais)

A prefeita afastada de Jati, Maria de Jesus Diniz Nogueira, conhecida como Neta, fora do cargo há aproximadamente dois meses e meio, está coagindo servidores temporários do município. A informação é de servidores do município que procuraram o site Miséria para expor a situação.

Neta foi afastada após segunda fase da operação Abelha Rainha. A solicitação para afastamento, de 180 dias, partiu da Procuradoria de Justiça dos Crimes contra a Administração Pública (PROCAP).

Por conta disso, a vice-prefeita, Francisca Ferreira de Souza (Mundinha), assumiu o cargo na condição de interina.

Desde então, a prefeita afastada tem divulgado aos quatro cantos do município que tem data certa para voltar e quem a trair irá pagar caro.

Hoje parte do funcionalismo público encontra-se amedrontado pela postura da prefeita afastada Neta, quando diz que vai voltar e "fazer justiça" com quem aderir à gestão de Mundinha.

Gestores de Jati são suspeitos de enriquecer com base em irregularidades na desapropriação de imóveis para construção de estádio de futebol (Foto: Divulgação/MPCE)


De acordo com denúncias, Neta está dizendo que vai exonerar quem não boicotar as ações e projetos da nova prefeita. A denunciante, que preferiu não se identificar, afirmou ao site Miséria que Neta "(...)tem se valido desse artifício apenas para amedrontar os servidores e assim boicotar a nova gestão causando prejuízo ao município (...)”, disse.

Em tempo

Pedidos judiciais na esfera Estadual e Federal para retornar ao cargo feitos pela prefeita afastada foram negados. O Tribunal de Justiça do Estado do Ceará (TJCE), quanto no Superior Tribunal de Justiça (STJ), em Brasília indeferiram o pedido Neta.

Assim, até o final do prazo de 180 dias, podendo ser aumentado em mais 180 dias, e uma decisão final no processo criminal ao qual responde, não procede a informação que a Neta tem data certa para retornar ao cargo.

Publicidade
Compartilhe
Comentários
Publicidade
Publicidade
Publicidade
TJ Seguros
Publicidade
Publicidade
Publicidade
Publicidade
© ACONTECEU, TÁ NO MISÉRIA
Quer reproduzir nosso conteúdo no seu blog ou site? Estabeleça uma parceria clicando aqui.
Desenvolvido por Kleber Ferreira