Sábado
17 de Novembro de 2018
Publicidade
Publicidade
Sábado, 17 de Novembro de 2018
Publicidade
Publicidade
Por espalhar fake news

PT pede que PGR investigue empresa que faz campanha de Bolsonaro

Em 17/10/2018 às 16:50
Compartilhar
Fernando Haddad é candidato do PT à Presidência da República (Foto: Reprodução)

O Partido dos Trabalhadores, do presidenciável Fernando Haddad, pediu à Procuradoria-Geral da República que investigue a campanha de seu adversário, Jair Bolsonaro (PSL), e a empresa AM4 Informática, que presta serviços ao candidato.

O partido vê abuso de poder econômico e suspeita do uso de dinheiro público “não declarado”, além da utilização de ferramentas tecnológicas para disseminar informações inverídicas com potencial de influenciar o resultado das eleições.



Em peça enviada ao vice-procurador geral, Humberto Jacques de Medeiros, o PT diz que tomou conhecimento da atuação da empresa por meio de reportagem do jornal O Globo em 7 de outubro, dia do primeiro turno.

De acordo com a notícia, a empresa contratada por Bolsonaro organizou grupos em diversas redes sociais para reverter episódios negativos com o nome do candidato do PSL e distribuir vídeos de corrupção envolvendo o ex-presidente Luiz Inácio Lula da Silva e Haddad. Na reportagem, Marcos Aurélio Carvalho, sócio-fundador da empresa, avalia que quem faz a campanha de Bolsonaro são “milhares de apoiadores voluntários”.

O PT reclama de que com essas ações, distribuindo mensagens por cerca de 1.500 grupos de WhatsApp, Bolsonaro conquistou 6,9 milhões de seguidores no Facebook e 3,8 milhões pelo Instagram, algo que, de acordo com o partido, não condiz com a estrutura da empresa, que tem quinze funcionários e que recebeu 100.000 reais desde a pré-campanha.

O pedido de investigação acrescenta que as mensagens distribuídas pela empresa são fake news (notícias falsas), danosas a Haddad e sua vice, Manuela D’Ávila (PCdoB), e que mais de 100 links com conteúdo inverídico foram retirados do ar.

Outro lado

Por meio de nota, a AM4 repudiou o pedido de investigação, negou as acusações e disse que o requerimento “evidencia tão somente o despreparo da candidatura adversária em compreender o cenário atual das eleições e do próprio eleitorado, mais dinâmico e digital.” Também afirmou que adotará todas as medidas para a defesa de sua reputação, em especial pela denunciação caluniosa da coligação.

“O pedido não aponta – por inexistir – qualquer fato concreto, baseando-se apenas no expressivo número de seguidores do candidato à Presidência Jair Bolsonaro no Instagram e Facebook, como se, supostamente, tivessem origem em informações falsas. O sucesso de Jair Bolsonaro nas redes não é de agora – é resultado de um trabalho de muitos anos, tanto dele, quanto de seus filhos, que cativaram milhões de brasileiros, tornando-lhes participantes ativos na campanha”, disse.

A AM4 acrescenta na nota que atua “há 19 anos completamente dedicada à inteligência digital, com respeito absoluto à ética, à transparência e à legalidade, e emprega dezenas de funcionários, atendendo a grandes clientes de diversos segmentos em todas as regiões do Brasil.”

Fonte: Veja

Publicidade
Compartilhe
Comentários
Publicidade
Publicidade
Publicidade
Publicidade
Publicidade
Publicidade
Publicidade
© ACONTECEU, TÁ NO MISÉRIA
Quer reproduzir nosso conteúdo no seu blog ou site? Estabeleça uma parceria clicando aqui.
Desenvolvido por Kleber Ferreira