Cariri
Mártir da Castidade
A próxima "Santa": vida e morte de Benigna Cardoso da Silva
Por:
Jornalista Alana Soares
Em 23/10/2018 às 11:10

Brutalmente assassinada aos 13 anos, a menina Benigna Cardoso é lembrada por milhares de fiéis e já é considerada uma santa popular (Foto: Reprodução)

TEM MAIS DEPOIS DA PUBLICIDADE
Compartilhar

Desde 2003 milhares de pessoas rumam em direção ao interior de Santana do Cariri para refazer a rota que a menina Benigna Cardoso da Silva fez antes de encontrar com a morte.

Os devotos vão até seu Santuário, construído em mutirão, e rezando para Benigna, retiram água da cacimba, como a menina fazia, em um gesto de memória e de fé. Por ser considerada uma santa popular, fiéis acreditam que as águas que ela tocava são santas e promovem curas.

TEM MAIS DEPOIS DA PUBLICIDADE
A partir do dia 15 de outubro, data de seu nascimento, os festejos começam com missas, novenas, caminhadas e quermesses populares no bairro e na sede de Santana do Cariri, culminando no dia 24, a data do martírio, com grande romaria.

Seus devotos rezam pela vida das crianças, pela vida das mulheres, para curar doenças ou vencerem o câncer.
TEM MAIS DEPOIS DA PUBLICIDADE
Mesmo em vida, ela já tinha fama de santidade por ter serenidade cativa e espírito bondoso com todos ao redor, incluindo animais e plantas. Dizem os mais velhos que a órfã Benigna, à época com 13 anos, era uma garota de comportamento exemplar, sendo muito religiosa e desprendida de coisas materiais, um exemplo à época.

Foi apenas em 2010 que a romaria para Jovem Benigna se intensificou ao número que hoje alcança após membros da Paróquia de Senhora Sant´Ana formaram uma Comissão Diocesana foi criada para pedir a beatificação da menina que está em análise.

Estima-se que 40 mil pessoas visitam o bairro de Inhumas, ex-distrito de Santana, no mês de outubro, mas aproximados 20 mil visitem em outras datas descentralizadas do ano, o que anima o turismo religioso em torno de seu nome.

Estátua representa a menina em seu Santuário, em Santana do Cariri (Foto: Reprodução)


"O número de pessoas que recebemos em um dia é maior do que o total de visitações em todo o ano no museu dos fósseis de Santana. Mesmo assim trabalhamos mais no sentido espiritual a partir do exemplo que Benigna deixa para a juventude", explica o colaborador Ypsilon Félix, teólogo, pesquisador e membro da Comissão Diocesana pela beatificação de Benigna.

Até mesmo estudiosos e pesquisadores universitários vão a Inhumas buscando entender o fenômeno gerado em torno da vida e morte de Benigna, principalmente pela causa de sua morte.

Vítima de violência contra a mulher, a menina Benigna foi brutalmente assassinada pelo obcecado Raul Alves, também jovem, que a perseguia há tempos com propostas de namoro. Sem interesse e já temendo o que poderia acontecer, os relatos orais contam que Benigna chegou a procurar refúgio com o padre da época.

Foi em 24 de outubro, alguns dias após seu aniversário de 13 anos, que Raul encontrou Benigna, enquanto a menina buscava água na cacimba próximo a sua casa. Forçando-se contra ela, que resistiu à violência, ele a golpeia com um facão até a morte.

Nesta quarta-feira, 24 de outubro, completa-se 77 anos de seu assassinato. Se fosse viva, Benigna estaria com 90 anos. Em seu nome é atribuído poderes santos de cura, conversão e redenção, principalmente após seu algoz ter se declarado arrependido e convertido no cristianismo.

Publicidade
Compartilhar

Mais do Site Miséria

Enquete
Você se sente seguro em sala de aula?

Qual seu sexo?

timelineResultado Parcial
TV Miséria
Humor