Segunda-feira
19 de Novembro de 2018
Publicidade
Publicidade
Segunda-feira, 19 de Novembro de 2018
Publicidade
Publicidade
Problema afeta 98% das mulheres

O que funciona (ou não) para reduzir a celulite

Em 08/11/2018 às 15:30
Compartilhar
A celulite é um processo natural do corpo feminino (Foto: Thinkstock)

A celulite é um dos grandes temores das mulheres. O problema, de origem estética, afeta cerca de 98% da população feminina, especialmente em regiões do corpo como coxas, bumbum ou braços — pessoas que sofrem com o efeito sanfona podem encontrá-las na barriga e, às vezes, nos seios. De acordo com especialistas, ainda não é possível determinar a causa da celulite, o que torna mais difícil se livrar dela. No entanto, alguns hábitos, como praticar atividade física, podem ajudar a reduzir os efeitos; algumas mulheres ainda recorrem a tratamentos estéticos capazes de controlar a aparência da pele.

O que é celulite?

Segundo a revista Time Health, o termo “celulite” apareceu inicialmente em um dicionário médico francês na década de 1870, sendo descrita como uma condição que provoca inflamação no tecido celular. Entretanto, dermatologistas afirmam que a celulite não é um problema realmente médico e sim uma questão de estética, que afeta principalmente as mulheres já que a sua aparição está relacionada ao estrogênio, um hormônio feminino.

“Ninguém sabe exatamente o que causa a celulite, mas está claramente relacionado à presença de estrogênio na pele”, explicou David Goldberg, professor da Mount Sinai’s Icahn School of Medicine, nos Estados Unidos, à Time. Apenas homens que fazem terapia de estrogênio para tratar câncer de próstata ou que apresentam doenças que elevam os níveis de hormônios femininos costumam ter os “buraquinhos”.



Abaixo da superfície

Outra informação conhecida pelos médicos é que o problema começa bem abaixo da superfície da pele, no tecido subcutâneo. Para explicar a aparição da celulite, Matthew Avram, da Escola Médica de Harvard, usa o exemplo de um cobertor colocado em cima de um colchão de gordura. Essa gordura é separada dentro de um sistema de compartimentos parecidos com favos de mel.

As paredes fibrosas desses compartimentos estão presos ao cobertor superior da pele. Se a gordura permanece dentro dos compartimentos, a pele em cima permanece lisa. Mas se a gordura incha e cria protuberâncias para fora das paredes que a envolvem, seja por causa de aperto ou compressão, a pele pode “ondular”. “Isso é a celulite”, esclareceu à Time.

Os lóbulos de gordura da mulheres são maiores e naturalmente projetados para inchar e criar as protuberâncias que provocam uma aparência irregular. “Nos homens, os lóbulos de gordura são menores e os tecidos que os separam são feitos com mais linhas de proteção. Isso impede o surgimento da ondulação”, continuou.

Tratamento

Para evitar a celulite é preciso reorganizar a interação entre gordura, tecido e pele, mas não existem muitos tratamentos capazes de realizar esta tarefa desafiadora. De acordo com Goldberg, os cremes hidrantes que vendem a redução da celulite não funcionam já que sua formação acontece abaixo da pele, onde o produto não alcança. Técnicas que visam reduzir ou remodelar a gordura sob a pele também são inúteis. O mesmo vale para a lipoaspiração, que em alguns casos pode piorar o problema.

Para o especialista, manter um peso saudável ajuda a suavizar a celulite, especialmente porque o aumento na balança piora o problema. Além disso, treinos que envolvem levantamento de peso podem minimizar as marcas por terem efeito compressor na pele. No entanto, ele alerta que forçar demais os quadris e o bumbum não é a solução para todas as mulheres, pois mesmo pessoas em boa forma têm os buraquinhos indesejados.

Procedimentos estéticos

Alguns procedimentos estéticos são uma opção para quem pode gastar. No entanto, muitos especialistas discordam sobre a eficiência deles por causa dos poucos estudos realizados para comprovar a qualidade. Segundo Goldberg, técnicas que utilizam dispositivos de radiofrequência baseados em energia podem ser uma alternativa uma vez que atuam para encolher e reconstruir as fibras de colágeno que separam as células de gordura. Esse método aperta a pele e diminui a aparência da celulite. Os efeitos são melhores quanto mais cedo for realizado, como no caso de pessoas jovens.

Nos Estados Unidos, o tratamento Cellfina, aprovado pela Food and Drug Administration (FDA), usa um dispositivo parecido com uma agulha para cortar as faixas de tecido que puxam a pele e causam as ondulações, garantindo uma redução por três anos ou mais.

Apesar disso, os especialistas destacam que mais estudos são necessários para entender melhor o problema.

Fonte: Veja

Publicidade
Compartilhe
Comentários
Publicidade
Publicidade
Publicidade
TJ Seguros
Publicidade
Publicidade
Publicidade
Publicidade
© ACONTECEU, TÁ NO MISÉRIA
Quer reproduzir nosso conteúdo no seu blog ou site? Estabeleça uma parceria clicando aqui.
Desenvolvido por Kleber Ferreira