Ceará
Funceme
Tecnologia japonesa auxiliará o monitoramento da seca
Compartilhar

O processo teve início em junho deste ano, e incluiu visitas de campo com pesquisadores japoneses para conhecer os sistemas de irrigação privada e pública, entre outros assuntos (Foto: Divulgação/Funceme)

Em 14/11/2018 às 12:20
TEM MAIS DEPOIS DA PUBLICIDADE

O Projeto Piloto de Previsão e Monitoramento de Seca Agrícola no Ceará, que permite classificar a severidade da seca dentro de um determinado período, além de outras vantagens, está em fase de ajustes finais para se adequar à realidade do Estado e começar a operar normalmente.

Para implementar o projeto, pesquisadores da da Fundação Cearense de Meteorologia e Recursos Hídricos (Funceme) participaram de um treinamento no Japão durante 34 dias. O processo teve início em junho deste ano, e incluiu visitas de campo com pesquisadores japoneses para conhecer os sistemas de irrigação privada e pública, culturas e calendários da produção, infraestrutura de recursos hídricos do Ceará, e apresentação dos sistemas de monitoramento de secas existentes no Estado.

TEM MAIS DEPOIS DA PUBLICIDADE


“Como é a primeira aplicação de um sistema muito complexo, é uma tarefa que exige um pouco de trabalho ainda, mas é um projeto curto”, explica Valdenor Nilo de Carvalho, hidrólogo e pesquisador da Funceme que participou do treinamento. Segundo ele, ainda durante os ajustes, as informações fornecidas a partir do resultado das análises feitas pelo novo sistema devem ser divulgadas até junho de 2019.

Agricultura

TEM MAIS DEPOIS DA PUBLICIDADE


De acordo com Nilo de Carvalho, as informações serão públicas e amplamente divulgadas. “A gente vai poder acoplar a nossa previsão climática com a repercussão disso na agricultura. O objetivo principal é fazer essa conexão entre a previsão da Funceme e os principais interessados, que são agricultores no Interior o Estado”, afirma. Segundo ele, será possível fazer uma previsão útil para o agricultor, indo além da previsão de chuvas, “pois serão informações valiosas para a plantação e cultivo dos alimentos”, completa.

A segunda etapa do projeto, a ser debatida com pesquisadores japoneses durante um workshop após a quadra chuvosa do próximo ano, envolve a possibilidade de expansão da tecnologia de forma a beneficiar outras áreas do Nordeste.

Fonte: Diário do Nordeste


Compartilhar

Publicidade
Mais do Site Miséria
Publicidade

Enquete
Você acredita que a chuva no dia de São José é certeza de bom inverno?

Qual seu sexo?

timelineResultado Parcial
TV Miséria
Humor