Brasil
DF e Goiás
Médico é acusado de deformar rostos de pelo menos 30 pacientes
Em 06/12/2018 às 09:45

Procedimentos estéticos variavam entre R$ 5 mil e R$ 7 mil (Foto: Reprodução/ Notícias ao Minuto)

TEM MAIS DEPOIS DA PUBLICIDADE
Compartilhar

O médico Wesley Murakami foi condenado a indenizar uma paciente que ficou com o rosto deformado após procedimentos estéticos. Mas a mulher não foi a única da lista. Pelo menos outras 30 pessoas denunciaram o profissional pelo mesmo motivo. Murakami sugeriu uma bioplastia e chegou a dizer que o resultado seria satisfatório. Os casos aconteceram no Distrito Federal e em Goiás.

“Eu fiquei deformada, fiquei com vergonha de ir para a escola. Colocava cabelo na frente. As pessoas me olhavam estranho e cada vez que eu tinha que me comunicar, porque eu tinha que lecionar, o meu rosto inchava mais, e aquilo me incomodava horrores", lamentou, ao conversar com o G1, uma das vítimas, que é professora, mas preferiu não se identificar.

TEM MAIS DEPOIS DA PUBLICIDADE
Segundo ela, a consulta foi para reduzir marcas de espinha no rosto. No entanto, foi convencida por Murakami a fazer uma bioplastia, que é injeção de uma substância para mudar a forma do rosto ou do corpo. O tratamento custou R$ 5 mil.

A história se repetiu com uma jovem, de 23 anos, que foi ao consultório porque tinha vergonha do queixo. Ela também foi convencida de realizar o mesmo procedimento e, hoje, arrependida, diz que se esconde para tirar fotos. “Eu vou para comprar uma roupa, eu olho e a roupa está perfeita. Mas eu olho para o meu rosto e falo: ‘Não vou, não quero’.”
TEM MAIS DEPOIS DA PUBLICIDADE
Outro caso é o de Alexandre Garzon, que, em 2012, o procurou o profissional com a intenção de realizar uma bioplastia. Foi desembolsado R$ 7 mil. “O procedimento, em si, não é ruim, mas ele não sabe fazer. Colocou [o PMMA] em lugares como abaixo do meu olho e nas bochechas. Consultei outros médicos, que me disseram o mesmo”, relatou, em entrevista ao Metrópoles.

Garzon faz parte de um grupo no WhatsApp com cerca de 40 pacientes que também alegam terem sido vítimas de Wesley. “Foi muito traumático. O plástico vai ficar na minha cara o resto da vida. Esse cara tem que parar, continua estragando a vida de muita gente”, desabafou.

O médico é alvo de processos éticos nos conselhos regionais de medicina do DF e de Goiás. Vítimas procuraram a polícia para denunciar os casos, ainda investigados como lesão corporal culposa.

NoticiasaoMinuto

Publicidade
Compartilhar

Mais do Site Miséria

Enquete
Você se sente seguro em sala de aula?

Qual seu sexo?

timelineResultado Parcial
TV Miséria
Humor