Ceará
Suspeito de crimes sexuais
´Filmar pacientes em consultório se tornou um fetiche´, diz prefeito afastado de Uruburetama
Por Agência Miséria
Em 20/07/2019 às 07:10

José Hilson Paiva se apresentou à polícia nesta sexta-feira em Fortaleza (Foto: Reprodução/Diário do Nordeste)

Compartilhar

O prefeito afastado de Uruburetama, José Hilson de Paiva, que se apresentou à polícia na tarde desta sexta-feira (19), em Fortaleza, disse em depoimento que a prática de filmar pacientes em consultório se tornou um vício, um fetiche. A informação foi divulgada pela Delegada de Cruz, Joseanna Oliveria, durante entrevista coletiva nesta sexta-feira (19).

Segundo ela, o médico fez os registros não autorizados para se proteger de falsas acusações de abusos. Inicialmente, conforme o depoimento, as gravações eram feitas apenas com pacientes com quem ele disse ter alguma intimidade, até que a prática se tornou um vício que ele não conseguia mais parar de fazer.

Joseanna informou ainda que o médico disse, em interrogatório, que a esposa, a ex-prefeita Maria das Graças Paiva, não sabia da prática, apesar de ter entrado muitas vezes com pacientes no consultório. "Era leiga, pois ele nunca falou para ela", disse.

O médico chegou a procurar ajuda para tratar o que ele diz ter se tornado um fetiche. "Às vezes ele deixava a câmera ligada e filmava a sala mesmo sem ter pacientes, era um hobby", revela Joseanna.

As gravações teriam sido feitas até o ano de 2017, quando ele assumiu o cargo de prefeito de Uruburetama, e não tinha mais tanto tempo para realizar as consultas. Desde então, ele conta,  todo material passou a ser armazenado em CDs, pen drives, computadores e outros dispositivos móveis.

Busca e apreensão

O secretário André Costa informou que foram realizados mandados de busca e apreensão em Cruz, Uruburetama e Fortaleza, mas somente nas cidades do interior, os policiais conseguiram encontrar material para análise. Na residência do médico, no bairro Cidade dos Funcionários, nada foi apreendido. O secretário acredita na possibilidade de destruição de provas de material na capital cearense.

Uma força tarefa vai ser montada no município de Cruz para a análise do material apreendido, que segundo André Costa, vai conribuir com o inquérito policial.

Vínculo de confiança com as vítimas

A delegada Joseanna Oliveira disse na entrevista que as vítimas do médico mostraram indignação por terem sido enganadas. Segundo ela, médico no interior é visto como alguém integro, com quem as pacientes mantém um certo vínculo de confiança. "Elas acreditavam estar se submentendo realmente a um tratamento médico. Muitas delas são bem simples, mulheres da zona rural, são até de certa forma ingênuas, achavam que o constrangimento pelo qual passavam nas consultas era necessários no processo de busca pela cura que elas tanto queriam, talvez por isso não denunciavam os abusos", explica a delegada.

Fonte: Diário do Nordeste

Compartilhar

Mais do Site Miséria

Enquete
Vapt-Vupt de Juazeiro completa cinco anos e já atendeu 2,3 milhões de pessoas. Como você avalia o atendimento?

Qual seu sexo?

timelineResultado Parcial
TV Miséria
Humor