Domingo
27 de Maio de 2018
Publicidade
Publicidade
Domingo, 27 de Maio de 2018
Publicidade
Publicidade
Declaração

Bolsonaro é de esquerda na economia, afirma dono da Riachuelo

Em 01/02/2018 às 10:30
Compartilhar
Para Flávio Rocha, país precisa de um candidato que alinhe ideias conservadoras no campo econômico e social (Foto: Reprodução)

Para o empresário Flávio Rocha, da Riachuelo, o Brasil precisa de um candidato que alinhe ideias conservadoras para a economia e a sociedade.

O candidato Jair Bolsonaro, no entanto, é popular pelo discurso conservador nos costumes, mas tem ideias econômicas "de esquerda".

A declaração foi dada antes do início de debate com o também empresário Pedro Passos, da Natura e colunista da Folha de S.Paulo, no evento Lide para o futuro, realizado na capital paulista nesta noite de quarta (31).

As ideias do empresário se disseminaram a partir do lançamento do movimento empresarial Brasil 200, batizado em alusão aos 200 da Independência do país, que será em 2022 (ano em que se encerra o mandato do presidente eleito neste ano).

Na plateia, 250 convidados, entre empreendedores e executivos de empresas e bancos. Integrantes do MBL também estavam lá com a expectativa de que "algum nome político surgiria durante o evento".

Rocha diz acreditar que o povo brasileiro seja extremamente conservador, em grande maioria contra o desarmamento, a favor da redução da maioridade penal e contra a discussão sobre gênero.

Essa é a pauta do povo brasileiro, "mas falar disso se tornou politicamente incorreto".

"[Jair] Bolsonaro é o único que está nadando de braçada na onda conservadora, mas que é de esquerda na economia porque ele é estatizante antes de mais nada", disse.

Na opinião do empresário, isso é perigoso porque o candidato "tem a fórmula para ganhar a eleição, mas não tão tem a fórmula para conservar a economia".

Rocha diz considerar o candidato à Presidência uma pessoa simpática e ´boníssima´, mas que está sem coerência entre os discursos econômico e social.

"Sem o discurso do Bolsonaro liberal da economia, desestatizante, privativista, reformista, não há esperança de consertar o país."

Ficar apenas no discurso sem andar "de sapatos pelo pantanoso terreno dos costumes" também é a falha do partido Novo, na opinião do empresário.

´A gente precisa de um [ex-presidente americano, Ronald] Reagan ou de uma [ex-primeira ministra do Reino Unido, Margaret] Thatcher, alguém que seja liberal na economia e conservador nos costumes. É isso que o povo tá pedindo muito´, afirmou.

Questionado sobre uma possível candidatura, Rocha afirma não ter perfil, nem haver tempo para uma campanha. Segundo ele, "é preciso gente de peso, de muita representatividade".

´É possível que saia alguém de dentro do movimento [empresarial], concluiu antes de subir ao palco.

 

noticiasaominuto

Publicidade
Compartilhe
Comentários
Publicidade
Publicidade
TJ Seguros
Publicidade
Publicidade
Publicidade
Publicidade
© ACONTECEU, TÁ NO MISÉRIA
Quer reproduzir nosso conteúdo no seu blog ou site? Estabeleça uma parceria clicando aqui.
Desenvolvido por Kleber Ferreira