Polícia
1° feminicídio no ano
Polícia conclui investigação e mantém preso marido que simulou acidente após matar esposa
Compartilhar

Conhecida como Piriu, Maria aparecida foi morta pelo marido em 14 de janeiro (Foto: Reprodução/ Redes Sociais)

Por Felipe Azevedo / Agência Miséria
Em 08/03/2018 às 12:15
Publicidade

No Dia Internacional da Mulher, encerra-se no Cariri as investigações de um caso de feminicídio em Aurora.

O crime aconteceu no dia 14 de janeiro e envolve o marido de Aparecida Lima Rangel, Francisco Erivan Rangel Filho, e o seu comparsa José Ribeiro Duarte, que tramaram o assassinato da mulher. Recentemente o casal havia assinado uma apólice de seguro de vida no valor de R$ 800 mil.

Publicidade


Testemunhas e parentes dos dois relataram à polícia que o relacionamento de mais de 20 anos era considerado abusivo, diz o delegado encarregado pelas investigações, Felipe Marinho. O pai da vítima chegou a relatar à polícia que o Francisco Erivan havia afirmado que, em caso de separação mataria a esposa e depois cometeria suicídio.

A morte de Aparecida inicialmente foi tratada como um acidente. Na noite do crime, seu ex-marido entrou em contato com a polícia e relatou um acidente de moto, no qual a esposa teria se desequilibrado do veículo enquanto voltavam de um balneário no Sítio Pau Branco e morrido com o impacto.

Publicidade


Inconstâncias no depoimento e a falta de provas de um suposto acidente o local indicado pelo acusado fizeram com que a polícia o mantivesse como principal suspeito de matar a dona de casa. Após uma quebra de sigilo bancário deferida na comarca de Aurora, a polícia teve acesso à cópia de uma apólice de seguro assinada pelo casal em novembro de 2017, no valor de R$ 800 mil.

As constantes brigas, o ciúme declarado do marido e a possibilidade de que ele recebesse esse valor após sua morte, reforçaram a tese da polícia de que realmente era ele o mentor do crime.

O corpo de Aparecida foi sepultado no Cemitério da Vila de Santa Vitória com grande acompanhamento e num clima de muita revolta. 

Em entrevista coletiva concedida na manhã desta quinta-feira (8), o delegado Felipe Marinho conta com detalhes toda a ação premeditada pelos acusados. Ele comenta a arma utilizada no crime, os caminhos da investigação e como agiu a dupla que encontra-se presa em celas distintas na cadeia pública de Aurora à disposição da Justiça.

Assista ao vídeo


Compartilhar

Publicidade
Mais do Site Miséria
Publicidade

Enquete
Você acha que deve haver leis mais duras para quem agride animais no Brasil?

Qual seu sexo?

timelineResultado Parcial
TV Miséria
Humor