Tecnologia e Games
Cibercriminosos
Hackers roubam US$ 23,5 milhões em criptomoedas de banco descentralizado
Em 13/07/2018 às 14:50

(Foto: Reprodução/ Terra)

Compartilhar

Ladrões conseguiram roubar US$ 23,5 milhões de três diferentes criptomoedas do banco de câmbio descentralizado Bancor. Embora o banco tenha sido capaz de mitigar os danos para até US$ 13,5 milhões, o hacker ou os hackers ainda miram um futuro onde eles poderão conseguir mais dinheiro.

O roubo, descoberto no início desta semana, deu início a inúmeros debates sobre se o Bancor é, na verdade, um serviço descentralizado. O Bancor se autoproclamou como uma "rede de liquidez descentralizada" e seu protocolo usa contratos inteligentes de token.

Como o hack aconteceu

De acordo com o Bancor, nenhuma carteira do usuário foi comprometida, somente "uma carteira usada para atualizar alguns contratos inteligentes". Os invasores, então, usaram a carteira comprometida para roubar US$ 12,5 milhões da moeda Ether, US$ 1 milhão do Pundi X e US$ 10 milhões do chamado Bancor Network Tokens (BNT).

Os 24.984 ETH, avaliados em cerca de US$ 12,5 milhões, "foram roubados do saldo do conector do BNT (como uma reserva). O resto dos tokens roubados foi retirado de contratos inteligentes que a carteira violada tinha acesso".

"Um token inteligente como o BNT tem um valor embutido em seu contrato inteligente. Ao enviar o contrato inteligente ETH (comprando o BNT), novos tokens do BNT são emitidos e o ETH é armazenado em um saldo conectado. Quando o BNT é enviado de volta ao contrato inteligente (vendendo o BNT), os tokens do BNT são destruídos e uma quantia proporcional de ETH é removida do saldo conectado do token e enviada ao vendedor", explicou o Bancor.

Após o roubo, o Bancor congelou US$ 10 milhões do BNT. "A capacidade de congelar tokens foi embutida no Protocolo Bancor para ser usada em uma situação extrema de violação de segurança, permitindo que o banco impeça o ladrão de fugir com os tokens roubados", disse.

Mas a capacidade de fazer isso é exatamente o que desencadeou um debate se Bancor deveria afirmar ser verdadeiramente descentralizado. Charlie Lee, criador da Litecoin, por exemplo, twittou: “uma troca não é descentralizada se ela perder fundos de clientes ou se puder congelar fundos de clientes. Bancor pode fazer ambos. É uma falsa sensação de descentralização”.

Embora seja incapaz de congelar as outras criptomoedas já roubadas, o Bancor está trabalhando com “dezenas de trocas de criptomoedas para rastrear os fundos roubados e dificultar a liquidação do ladrão”. A empresa acredita que em breve reativará a Bancor Network.

Terra

Compartilhar

Mais do Site Miséria

Enquete
Qual tipo de notícia regional você quer acompanhar com mais frequência no Site Miséria?

Qual seu sexo?

timelineResultado Parcial
TV Miséria
Humor