Terça-feira
13 de Novembro de 2018
Publicidade
Publicidade
Terça-feira, 13 de Novembro de 2018
Publicidade
Publicidade
Em junho

Atividade econômica do Ceará cresce 1,5%, diz Banco Central

Em 17/08/2018 às 06:30
Compartilhar
Analista avalia que o setor agropecuário está se beneficiando com a quadra chuvosa ocorrida dentro da média histórica (Foto: Reprodução)

O Índice de Atividade Econômica Regional do Ceará (IBCR-CE), divulgado, ontem (16), pelo Banco Central (BC), apresentou variação positiva de 1,50% em junho ante maio. Em 12 meses, o índice, que é considerado uma prévia do Produto Interno Bruto (PIB), subiu 1,18%, enquanto no ano, o crescimento foi de 0,58%. Entretanto, no segundo trimestre, o IBCR caiu 0,50% no Estado, diante da greve dos caminhoneiros em todo o País. Os dados são dessazonalizados (ajustados para o período). Levando em consideração os dados na série observada, o crescimento da atividade econômica do Ceará em junho ante o mesmo período do ano passado foi de 0,10%.

No segundo trimestre de 2018, o índice subiu 0,27% em relação aos dois primeiros meses do ano passado. No ano, o IBCR cresceu 0,69%, e em 12 meses, variação positiva de 1,10%.



O Estado registrou em junho deste ano 136,30 pontos no índice, pouco acima dos 134,75 pontos assinalados em maio. O IBCR-CE de junho de 2018 foi um pouco maior do que os 135,68 pontos em relação a igual mês do ano passado, de acordo com os dados do Banco Central.

"Assim como o resultado do Brasil, a queda registrada no segundo trimestre foi decorrente da greve dos caminhoneiros, ocorrida no final de maio, que afetou negativamente, principalmente, atividades relacionadas a serviços. Na comparação no mês, em relação ao mesmo mês do ano anterior, a série positiva de crescimento no ano de 2018 foi interrompida justamente no mês de maio, onde registrou-se uma forte queda de 2,42%, ainda assim, este resultado negativo não foi suficiente para tornar o segundo trimestre, na mesma comparação com o ano anterior, negativo, já que verificou-se um crescimento de 0,27%", explicou Nicolino Trompieri Neto, coordenador de Contas Regionais do Instituto de Pesquisa e Estratégia Econômica do Estado do Ceará (Ipece).

De acordo com ele, para os próximos meses, a tendência para a economia cearense é de crescimento. "O setor agropecuário está se beneficiando da quadra chuvosa ocorrida dentro da média histórica. No setor industrial, apesar da construção civil apresentar uma recuperação muito lenta, a indústria de transformação vem apresentando índices de crescimento que mostram uma recuperação mais sólida. No setor de serviços, o comércio vem se beneficiando do aumento do consumo das famílias, apesar de ainda não atingir níveis verificados em períodos de antes da crise".

Nordeste

Na série dessazonalizada, o índice subiu 2,84% em junho no Nordeste. Entretanto, no segundo trimestre a queda foi de 1,37%. No ano de 2018, a Região registrou variação negativa de 0,92%. Já em 12 meses, a alta foi de 0,36%, segundo as informações do BC.

Na série observada, o IBCR-Nordeste teve leve alta de 0,09% em junho ante o mesmo período do ano passado. Em 12 meses, o índice subiu 0,35% na Região. As quedas maiores foram no segundo trimestre em relação aos primeiros dois meses de 2017. Neste ponto, a redução foi de 1,91%. No ano, a variação negativa foi de 0,83%.

Brasil

A atividade econômica, fortemente impactada pela paralisação dos caminhoneiros, ocorrida no mês de maio, caiu 0,99% no segundo trimestre, divulgou o Banco Central na última quarta-feira (15). A alta de 3,29% do IBC-Br (Índice de Atividade Econômica do BC) em junho, na comparação com maio, foi suficiente para recuperar a queda 3,28% no mês anterior, mas não foi capaz de fazer o índice fechar o trimestre no positivo, interrompendo assim cinco períodos seguidos no azul.

Nos três primeiros meses deste ano, o avanço foi de 0,2%. Em maio, o Brasil sofreu com a paralisação dos caminhoneiros, que prejudicou diretamente a atividade econômica e abalou ainda mais a confiança de empresariado e consumidores. Indicadores após esse período já mostraram alguma recuperação, mas não o suficiente para evitar que as projeções dos agentes econômicos sobre o PIB não sofressem reduções para este ano.

Fonte: Diário do Nordeste

Publicidade
Compartilhe
Comentários
Publicidade
Publicidade
Publicidade
Publicidade
Publicidade
Publicidade
Publicidade
© ACONTECEU, TÁ NO MISÉRIA
Quer reproduzir nosso conteúdo no seu blog ou site? Estabeleça uma parceria clicando aqui.
Desenvolvido por Kleber Ferreira