Cariri
Coluna
“A vida é um conjunto de forças que resistem à morte”
Por Leda Mendes, especial para o Miséria
Em 12/09/2018 às 08:45

"É muito provável que tenhamos por perto alguém que está sofrendo ou que sejamos nós mesmos a sofrer. Por isso, precisamos pensar juntos em formas de acolher quem sofre, dar lugar à dor e prevenir o suicídio" (Foto: Reprodução)

TEM MAIS DEPOIS DA PUBLICIDADE
Compartilhar

A frase acima é do Bichat e resume bem a história. Veja, em setembro, o Cariri assiste à flora dos ipês amarelos. Os dias ficam mais claros, o calor aumenta. Em setembro os dias de sol coincidem com os dados tristes que apontam o aumento no índice de suicídios na região.

O problema é grave e tem grandes proporções. De acordo com dados da Organização Mundial de Saúde, estima-se que no Brasil, por dia, em média 32 pessoas tirem a própria vida, sendo o suicídio a segunda maior causa de morte entre jovens de 15 a 29 anos e a principal entre mulheres dos 15 aos 19.

TEM MAIS DEPOIS DA PUBLICIDADE
A Organização Mundial de Saúde também estima que em um ano, no mundo, cerca de 800 mil pessoas tiraram a própria vida, sendo o número de óbitos autoprovocados enormemente superior ao número de homicídios que corresponde a cerca de 470 mil mortes. Não é à toa que as campanhas de prevenção e enfrentamento têm sido ampliadas.

Mas quais são as causas de números tão alarmantes? A princípio devemos considerar que a decisão de atentar contra a própria vida está diretamente ligada ao sofrimento psíquico e embora pareça individual, tem caráter social.
TEM MAIS DEPOIS DA PUBLICIDADE
A forma de vida contemporânea é geradora de frustração e sofrimento, afinal de contas além da ampliação da cobrança por sucesso e pela felicidade pregada nas redes sociais, vivemos um tempo de crise e de alargamento da desigualdade social.

Os jovens acabam sendo alvos imediatos, cobrados em relação aos estudos, às expectativas quanto ao mercado de trabalho, às normas estéticas e padrões de consumo, sendo bombardeados intermitentemente pela sensação de que nunca estão à altura do que a sociedade impõe como meta.

Dessa forma, o futuro parece obscuro e a morte pode parecer a única forma de cessar o sofrimento. É muito provável que tenhamos por perto alguém que está sofrendo ou que sejamos nós mesmos a sofrer. Por isso, precisamos pensar juntos em formas de acolher quem sofre, dar lugar à dor e prevenir o suicídio.

Em setembro os dias de sol coincidem com os dados tristes que apontam o aumento no índice de suicídios na região.


Não tratar o assunto como tabu é muito importante, uma vez que não falar sobre o que está acontecendo não é uma forma de evitar o sofrimento. Falar sobre a dor e seus motivos é fundamental, assim como é imprescindível também estar dispostos a ouvir quem precisa de ajuda.

Outro ponto é o suporte qualificado, profissional. O encaminhamento a profissionais da Psicologia ou Psiquiatria certamente auxiliará e provavelmente mudará o rumo da história.

Se as causas do sofrimento têm bases no contexto social, é possível encontrar novas formas para lidar com demandas, novas formas de resistir e ressignificar.

Em setembro, os ipês enchem o Cariri com seu amarelo vibrante e certamente podemos acompanhar a beleza ao nosso redor. Estejamos atentos a quem está ao nosso lado, saibamos falar e ouvir, procuremos ajuda.

Em tempos difíceis, todo gesto de cuidado e empatia é necessário. Enquanto há vida, há possibilidade! A vida é potente e capaz de resistir à morte.

Leda Mendes Gimbo, Psicóloga convidada.

Engajados com a causa pela valorização da vida, o site Miséria inicia hoje, 12, uma coluna especial sobre saúde mental e prevenção ao suicídio. Contaremos com a colaboração de profissionais psicólogos e psiquiatras toda semana, até o dia 26 de setembro.

Publicidade
Compartilhar

Mais do Site Miséria

Enquete
Até quanto você pretende pagar por um dia de show na Expocrato ou Festa de Santo Antônio?

Qual seu sexo?

timelineResultado Parcial
TV Miséria
Humor