Por que fazemos o que fazemos? - Site Miséria 

Compartilhar
Publicidade
Publicidade
Cotidiano

Sarah Gomes

Repórter de Cidades do Site Miséria, graduanda em Jornalismo, pesquisadora na área de Antropologia e cronista do dia a dia. Escreve para passar a vida a limpo.

Cotidiano

Sarah Gomes

Repórter de Cidades do Site Miséria, graduanda em Jornalismo, pesquisadora na área de Antropologia e cronista do dia a dia. Escreve para passar a vida a limpo.

Por que fazemos o que fazemos?
Foto: Sarah Gomes

Como uma queda d’água a vida não para. Que eu saiba, o tic tac do relógio nunca fez hora extra. Nós nos movemos empurrados pela força do hábito, numa caravana cotidiana que sobe e desce, repousa e parte. No modo automático esquecemos que estamos aqui ao ponto de passarmos em total inconsciência pelo ciclo da vida. Nós nascemos, crescemos, se der vontade nos reproduzimos e independente do nosso querer nós morremos. Mas por que fazemos o que fazemos enquanto nosso corpo é marcado pelo tempo?

Jornalismo é a minha segunda graduação. Eu desisti da primeira um semestre antes de me formar. Não me pergunte o porquê, eu não sei. Como Chicó, eu só sei que foi assim. O que eu sei é que encontrei no jornalismo uma vocação. Dessa vocação fiz um barco e velejei em direção à queda d’água. Fui inundada. Em dois anos de navegação descobri que minha escrita tem raiz pessoal. Como as plantas da casa da minha avó, o que sai de minhas mãos tem origem e propósito.

Em um país que alcançou o recorde de 13,5 milhões de pessoas vivendo em situação de miséria, eu reconheço o meu privilégio de todos os dias poder estudar e trabalhar com o que gosto. Longe de estar em posição de fazer alguma diferença significativa no mundo, eu faço o que posso.

Escrevo sobre cotidiano com a delicadeza de quem de longe observa e a brutalidade de quem de perto experencia. Faço isso como uma forma de apresentar à sociedade aquilo que cotidianamente acontece em seu próprio interior. Pelas limitações do ofício e do conhecimento, eu falho e no dia seguinte tento novamente. Eu escrevo como uma ação permanente de atualização, como um despertador programado para todos os dias da semana. Exponho o mundo pelo que ele é e narro através da história de outras pessoas tudo aquilo que ele pode ser. Em caracteres eu busco explicações racionais e sugiro realidades fantásticas.

O que nós fazemos e como fazemos diz muito sobre quem Somos. Eu faço o que faço pela pessoa que eu Sou. O que eu fazia antes de fazer jornalismo diz muito sobre a pessoa que durante anos eu precisei Ser. E você, quem É?

Compartilhar:
Comentar:
Publicidade
Governo do Estado
Publicidade