Com alta procura em farmácias de Juazeiro, medicamento não bloqueia o coronavírus, alerta especialista - Site Miséria 

Compartilhar
Publicidade
Publicidade
Com alta procura em farmácias de Juazeiro, medicamento não bloqueia o coronavírus, alerta especialista
As vendas em alguns locais já supera o álcool em gel e máscaras. Esses produtos, inclusive, estão mais barato do que no começo da pandemia.
Felipe Azevedo
Foto: Guto Vital

Assim como ocorreu com a cloroquina, posts virais alçam medicamentos ao posto de “curandeiros” do novo coronavírus. Um deles, agora mais recente, é o Ivermectina, remédio prescritos para tratamentos de vermes e piolho – ainda sem eficácia comprovada para evitar o contágio da doença. Há, mesmo assim, uma alta procura por ele nas farmácias de Juazeiro e região.

As vendas em alguns locais já supera o álcool em gel e máscaras. Esses produtos, inclusive, estão mais barato do que no começo da pandemia, quando, no caso do álcool 70%, já custou R$ 18,00 e agora é vendido por R$ 12,40.

Em uma farmácia na rua Santa Luzia, por exemplo, a Ivermectina tem vendido consideravelmente.

Isso porque, em determinados locais, deu-se como certa a eficácia do produto para evitar o contágio. Isso, porém, não é real. O medicamento, na verdade, está sendo usado em determinados protocolos de tratamento, para quem já contraiu o vírus, em ambiente controlado.

É o que explica o farmacêutico Micalce Santana, proprietário de uma farmácia de manipulação em Juazeiro do Norte. “As pessoas passaram a tomar o remédio por conta própria, como se isso fosse evitar que ela contraísse o vírus. Isso é errado, ainda elevou o preço do medicamento”, alerta.

Micalce lembra ainda que o remédio está sendo testado em laboratório, sendo manipulado por médicos especializado. “Só se deve ser tomada com prescrição médica, esse produto não evita a contaminação do coronavírus”, completa.

Ouça

Segundo o Projeto Comprova, um médico faz afirmações enganosas sobre a pandemia em um vídeo que obteve mais de 385 mil interações no Facebook até o dia 2 de julho. Jornalistas do Comprova afirmam, após pesquisa, que os medicamentos citados no vídeo são utilizados em tratamentos distintos.

A hidroxicloroquina e a cloroquina são usadas em casos de malária e doenças autoimunes, como lúpus e artrite reumatóide. A azitromicina é um antibiótico e, portanto, é recomendada contra bactérias. Já a ivermectina é utilizada no tratamento de condições causadas por vermes e parasitas.

 

Compartilhar
Loading spinner
Avalie esta notícia
Comentar
*Publicidade