Secretário prevê 250 óbitos por dia no Ceará, diz que haverá mortes na rua e informa colapso - Site Miséria 

Compartilhar
Publicidade
Publicidade
Secretário prevê 250 óbitos por dia no Ceará, diz que haverá mortes na rua e informa colapso
Felipe Azevedo
Secretário da Saúde, Dr. Cabeto, é internado com suspeita de coronavírus
Dr. Cabeto foi internado com suspeita de coronavírus (Reprodução)

O Ceará deve registrar 250 mortes por dia por coronavírus em maio. A projeção é do secretário Dr. Cabeto (Saúde) durante transmissão ao vivo ontem (14). Disse também que os leitos de Unidade de Terapia Intensiva estão 100% ocupados e que os Equipamentos de Proteção Individual deve acabar em uma semana. “Pessoas morrerão nas ruas”, disse.

“No sistema público, eu não tenho mais leito de UTI, acabou. A gente tinha uma compra da China, que tinha me prometido entregar 250 respiradores mas soube ontem (13) que não vou receber nenhum”, alertou o secretário.

Cabeto disse que a pasta encomendou 15 mil covas para óbitos decorrentes da doença. “O sistema de saúde do Ceará colapsou […] nós vamos começar a ter morte de pessoas não entubadas e já estão tendo”.

Números

São 2.075 confirmações no Ceará até ontem, 14, conforme Secretaria de saúde. Já foram confirmados 111 óbitos em decorrência da Covid-19 no Estado. A projeção é de que, na próxima semana, a taxa de mortalidade chegue a 10%, de acordo com Dr. Cabeto. Hoje, o índice é de 5,35%.

“Eu tenho tentado explicar que as pessoas vão viver momentos muito difíceis”, disse, comparando a pandemia a uma “terceira guerra mundial”. “Não tem lógica. Não posso partir do princípio que, pelo fato de não está conseguindo fazer o isolamento, vou liberar o isolamento em algumas áreas”, disse. Na reunião, os empresários tentaram convencer com o secretário sobre o afrouxamento das medidas de isolamento para a construção civil. “Uma vez que a doença começa a se disseminar na periferia, é um momento de muita expectativa de que as coisas caminhem de modo muito negativo“, corrobora o infectologista Anastácio Queiroz, professor da Faculdade de Medicina (Famed) da Universidade Federal do Ceará (UFC).

Compartilhar
Comentar
*Publicidade