“Maconha salva vidas”, enfatiza mãe em debate na Câmara de Juazeiro do Norte sobre uso medicinal da planta - Site Miséria 

Compartilhar
Publicidade
Publicidade
“Maconha salva vidas”, enfatiza mãe em debate na Câmara de Juazeiro do Norte sobre uso medicinal da planta
Na ocasião, foram apresentados depoimentos de pacientes, pesquisas científicas e apelos à gestão
Yanne Vieira
Foto: Reprodução

Na manhã desta quarta-feira (17), foi debatido na câmara municipal de Juazeiro do Norte, o uso da Cannabis medicinal e o projeto de lei do vereador Márcio Jóias (PTB). Estiveram presentes na sessão os representantes da Associação das Mães Escolhidas (AME) Cariri, os vereadores Sargento Firmino (PSB) e Ivanildo Rosendo (DC) e Amanda Lívia, representando a Secretaria de Desenvolvimento Social e Trabalho de Juazeiro (Sedest). Na ocasião, foram apresentados depoimentos de pacientes, pesquisas científicas e apelos à gestão.

Desde 2014, a Agência Nacional de Vigilância Sanitária (Anvisa) autoriza a importação de medicamentos com cannabis. No início de novembro deste ano, mais dois produtos compostos com a planta foram aprovados, sendo estes o promediol e o Zion Medpharma (200mg/ml). Totalizando 7 produtos no país.

Maria Arlete, presidente da AME Cariri, falou sobre o uso da maconha medicinal no tratamento do filho de 20 anos, que tem paralisia cerebral, “maconha salva vidas”, afirmou. Na ocasião, a presidente da associação pediu empatia da população e questionou quando a Secretaria de Saúde de Juazeiro abrirá o diálogo com os pacientes que utilizam a cannabis de forma medicinal.

A cannabis possui substâncias denominadas canabinóides que agem diretamente em vários lugares do corpo, especialmente no cérebro, o que proporciona uma sensação de relaxamento. O diretor técnico científico da AME, Márcio Holanda explica que a partir de estudos científicos foi descoberto que “dentro do nosso corpo existe um sistema endocanabinóide” e este é responsável por equilibrar todo o sistema humano.

A secretária executiva da AME, Glaudes Sucupira, é uma das mães que luta pela legalização do uso da cannabis medicinal. Seu filho Fídias, de 10 anos, possui síndrome de Angelman, autismo e epilepsia. “Ser uma mãe diferente da maioria é muito bonito, desde que essa mãe não seja você”. Glaudes explanou que a experiência com o óleo de cannabis foi a luz na sua casa “meu filho passou a dormir, junto com esse sono despertou uma criança mais tranquila, as convulsões cessaram, ele deu um salto no seu desenvolvimento cognitivo, os tremores e os espasmos ficaram cada vez menos perceptíveis”, afirmou.

O professor Marcio Holanda, falou durante a sessão que os pacientes precisam de acompanhamento intensivo com profissionais capacitados para terem resultados efetivos, “teríamos muito mais evidências caso tivéssemos o apoio da gestão” e reafirmou o apelo às autoridades, “o tratamento já é legalizado, o que a gente precisa é de apoio”.

Amanda Lívia, representante da Sedest, afirmou que gostaria de ver a desburocratização do tratamento, e que esses momentos de debate são pilares fundamentais, mas que precisam de estabilidade jurídica, “nós enquanto política de assistência nos sensibilizamos, nos colocamos a disposição para ampliarmos o debate”, concluiu.

Compartilhar
Loading spinner
Comentar
*Publicidade