Prefeito de Juazeiro cobra "provas concretas" de denúncias feitas pela oposição - Site Miséria 

Compartilhar
Publicidade
Publicidade
Prefeito de Juazeiro cobra “provas concretas” de denúncias feitas pela oposição
Prefeito Glêdson Bezerra (Podemos) fez a declaração em uma rádio local
Viviane Bastos
Sem suplementação orçamentária, Juazeiro pode paralisar serviços; Glêdson cobra vereadores
Foto: Reprodução/Instagram

Na última semana, a remoção de gelo-baiano, em Juazeiro do Norte, virou polêmica e foi alvo de denúncia no retorno dos trabalhos na Câmara Municipal de Juazeiro do Norte. Em entrevista à rádio Plus FM, nesta quarta-feira (3), o prefeito de Juazeiro, Glêdson Bezerra (Podemos) explicou que o Departamento Municipal de Trânsito (Demutran) está reformulando os canteiros centrais das principais avenidas da cidade e que o trabalho consiste no recolhimento do gelo-baiano e substituição por tachões luminosos para sinalizar as vias.

O chefe do executivo municipal esclareceu que com a constante depredação, a manutenção do gelo-baiano estava com custo elevado. “Não vou continuar com essa política depois de ter ouvido os técnicos”, afirmou. “Alguém chegou à conclusão que estão tirando o gelo-baiano para colocar, de novo, canteiro central em todas as ruas. (…) Onde estão sendo tirados os gelos-baianos, a ideia é não colocar nada lá e substituir por tachões luminosos”, afirmou o prefeito.

Glêdson explicou que nos locais onde serão construídas as rotatórias é necessário fazer a divisão do canteiro central para garantir a trafegabilidade dos pedestres. Em imagens que circulam nas redes sociais, um veículo da empresa BenderMix aparece próximo ao local. Com relação às denúncias sobre um suposto favorecimento à empresa de Gilmar Bender, o prefeito declarou: “Foi a prefeitura que comprou a Bender? Nunca! A prefeitura nunca comprou – não no meu governo – não comprou nada a Bender nem vai comprar!”.

Ainda durante a entrevista, o prefeito declarou que abriu processos criminais, através de seu advogado, para investigar o que ele classificou como calúnia. “Ou você apresenta uma prova concreta ou vai responder por calúnia, difamação”, enfatizou. “Não vou ficar perdendo tempo com isso (…) mas aqui e ali eu tenho que me posicionar (…) A melhor estratégia que usamos foi abrir processos criminais porque calúnia é crime. Autoridade que disser que aquilo ali foi para poder dar dinheiro para Glêdson ou pagar campanha, vai ter que provar”, declarou. “Ficar no achismo eu não vou e para não ficar no achismo para onde eu vou? Eu vou para a justiça”, finalizou.

Compartilhar
Comentar
*Publicidade