Tese de motivação política é cada vez mais forte, diz secretário sobre caso João Gregório - Site Miséria 

Compartilhar
Publicidade
Publicidade
Tese de motivação política é cada vez mais forte, diz secretário sobre caso João Gregório
Conhecido como João do Povo, o ex-gestor foi morto em dezembro do ano passado, enquanto caminhava próximo ao açude Junco, em Granjeiro.
Felipe Azevedo
Foto: Normando Sóracles

Está cada vez mais claro que a motivação para matar o ex-prefeito de Granjeiro, João Gregório, teve cunho político. A informação é do secretário André Costa (segurança), em entrevista coletiva na manhã desta segunda-feira (20), em Fortaleza. Conhecido como João do Povo, o ex-gestor foi morto em dezembro do ano passado, enquanto caminhava próximo ao açude Junco, em Granjeiro.

Ao lado do delegado Dr. Luis Eduardo, de Crato, o secretário fez um resumo das investigações até aqui: na semana passada, o ex-prefeito Vicente Tomé passou a usar tornozeleira eletrônica e não pode sair de Granjeiro. Pai tu atual prefeito, Tomé é um dos suspeitos do crime.

Já na quinta passada, o carro modelo Volkswagen Polo usado no dia do crime foi preso no Piauí. Dois homens foram detidos suspeitos de negociar o veículo. Um deles, identificado como Carlos Alberto, também é suspeito de ser o executor de João Gregório.

Coletiva

Na coletiva, a cúpula da Segurança Pública do Estado do Ceará detalhou apenas como ocorreu a perseguição aos suspeitos. Inspetores avistaram o veículo e perseguiram, perdendo de vista logo em seguida. No dia seguinte, através de câmeras de segurança em um posto de gasolina, chegaram até a casa de Carlos Alberto.

De acordo com os inspetores, o homem alega que teria comprado o veículo através de um aplicativo de compras e vendas. A identidade do outro preso- acusado de receptar o carro de Carlos Alberto -, não foi revelada. O Volkswagen pertencia a uma locadora de veículos, foi locado e não devolvido.

A pessoa que fez a locação do carro está foragida. Também sem identidade divulgada, este também é suspeito de agir no dia do crime.

A polícia agora aguarda o resultado de perícias através da Pefoce. Exames de DNA, impressões digitais e demais elementos serão analisados para a continuação das investigações.

Compartilhar:
Comentar:
*Publicidade