Câncer de bexiga: urologista explica que homens com mais de 40 anos e fumantes são as maiores vítimas da doença - Site Miséria 

Compartilhar
Publicidade
Publicidade
Câncer de bexiga: urologista explica que homens com mais de 40 anos e fumantes são as maiores vítimas da doença
O principal sinal de alerta para a doença é o sangue na urina.
Viviane Bastos
Foto: Reprodução

A Campanha Maio Vermelho, que acontece no mês de combate ao tabagismo, tem o objetivo de alertar a população sobre os riscos do tabaco e a importância do diagnóstico precoce no tratamento do câncer de bexiga, que está em 7º lugar no Brasil dentre os tipos de tumores mais comuns na população. De acordo com o Instituto Nacional do Câncer (INCA), em 2020, ocorreram 4.595 mortes no Brasil em decorrência da doença, sendo 3.097 homens e 1.498 mulheres.

O médico urologista, Thiago Coutinho, explica que pessoas com mais de 40 anos, fumante ou com histórico de tabagismo, são os principais acometidos pela doença. “Caso essas pessoas apresentem sangramento na urina, elas devem investigar se tem a doença, além de averiguar o trato urinário superior do rim”, explica.

Diagnóstico

O diagnóstico do câncer de bexiga pode ser feito por exames de urina e de imagem, como tomografia computadorizada e citoscopia, que é a investigação interna da bexiga por um instrumento com câmera. Durante a citoscopia podem ser retiradas células para biópsia. A probabilidade de cura dependerá do estágio do câncer e da idade e saúde geral do paciente.

Tratamento

O urologista ainda lembra sobre a importância do diagnóstico precoce, pois com uma cirurgia simples é possível resolver o problema. As opções de tratamento vão depender do grau de evolução da doença. A cirurgia pode ser de três tipos: ressecção transuretral, quando o médico remove o tumor por via uretral, cistotectomia parcial que consiste na retirada de uma parte da bexiga, ou cistotectomia radical, com a remoção completa da bexiga e posterior construção de um novo órgão para armazenar a urina.

Outra alternativa é a radioterapia, que pode ser adotada nos tumores mais agressivos como técnica para tentar preservar a bexiga. A quimioterapia também pode ser sistêmica, ou seja, ingerida na forma de medicamentos ou injetada na veia, ou intravesical, aplicada diretamente na bexiga através de um tubo introduzido pela uretra.

Compartilhar
Comentar
*Publicidade