Ceará
Projeto "Malha D´água"
Serão investidos R$ 5,5 bilhões para distribuição de água no interior do Estado
Compartilhar

O projeto terá uma extensão de 4.306 km de linhas adutoras e deve atender a 6,2 milhões de pessoas (Foto: Reprodução)

Em 23/01/2018 às 06:40
TEM MAIS DEPOIS DA PUBLICIDADE

Com o objetivo de levar água para o Interior do Estado, por meio de Estações de Tratamentos de Água (ETAs), a Companhia de Água e Esgoto do Ceará (Cagece) construirá novos equipamentos de distribuição de água em regiões mais resilientes às secas. Inicialmente, o projeto aponta a introdução de novas distribuidoras em 34 açudes. Segundo o presidente da Cagece, Neuri Freitas, o custo do investimento é de R$5,5 bilhões. As informações foram divulgadas em coletiva na manhã de ontem, no Palácio da Abolição.

"Isso demanda recurso e obras. Não é algo para curto prazo. Nós estamos verticalizando a discussão para fazer uma lista de prioridades e tomar iniciativas que serão iniciadas junto com o Banco Mundial. Já tivemos aprovação do Governo Federal. Agora é prosseguir com os papéis necessários e contratos", declarou Neuri Freitas.

TEM MAIS DEPOIS DA PUBLICIDADE


O projeto "Malha d´Água" vai ter uma extensão de 4.306 km de linhas adutoras principais, 305 estações de bombeamento e deve atender a 6,2 milhões de pessoas em 179 municípios. É estimado que haja uma vazão de água em 16,5 m³/s. "A partir dessas estações, vamos distribuir a água tratada dentro do padrão de potabilidade para consumo aos municípios. Nesse encaminhamento, serão atendidas todas as localidades que são abastecidas por carros-pipas ou pequenas localidades que contam com o Programa São José e Água Para Todos", diz Freitas.

Atualmente, a distribuição, em grande parte, ocorre por meio da transferência de água bruta de um açude para outro. Um exemplo é a transferência do açude Orós para o Castanhão e, em seguida, para Fortaleza. Segundo o presidente da Cagece, isso ainda deve continuar. "O Açude Banabuiú é um reservatório mais resistente à seca, pelo porte dele, então a gente teria a construção de uma grande estação de tratamento que desse para atender toda aquela região central. Quando fizermos essas ETAs, não teremos mais o encaminhamento de carros-pipas para pequenas comunidades abastecidas por mananciais que secam com facilidade. Teremos uma grande estação que levará água tratada por tubos".

TEM MAIS DEPOIS DA PUBLICIDADE


Estudo

Ainda segundo Neuri Freitas, o novo sistema de abastecimento de água foi pensado desde 2016. "Tivemos de fazer todo um estudo. A Secretaria de Recursos Hídricos (SRH) também participou. Alinhamos informações com as rotas dos carros-pipas, sistema de abastecimento do Programa Água para Todos e do programa São José, além de pensar qual a melhor modelagem".

Apesar de analisar o prognóstico das chuvas como positivo, o presidente da Cagece aponta que não existe segurança hídrica. "Não há como determinar que as precipitações caiam nas bacias. O prognóstico é bem mais favorável do que o do ano anterior. É preciso que as chuvas caiam nos locais adequados. Se chover na Serra de Baturité, temos um aporte bom para Região Metropolitana. Se chover no Jaguaribe, teremos um bom aporte para o Castanhão. Vai depender da intensidade e volume em cada região".

Manutenção

Quanto à permanência da tarifa de contingência em 2018, Freitas conta que só é possível afirmar se a taxa continua ou não depois da quadra chuvosa. "Se tivermos recarga razoável, será analisado. Se não, devemos manter". Os dados da Cagece apontam que o cearense está conseguindo realizar economia próximo dos 10,9m³. "Baixar mais do que isso pode comprometer o dia a dia das pessoas. O governador não aceita racionamento, é o que estamos fazendo".

Fonte: Diário do Nordeste


Compartilhar

Publicidade
Mais do Site Miséria
Publicidade

Enquete
Qual rede social você mais usa?

Qual seu sexo?

timelineResultado Parcial
TV Miséria
Humor