Quarta-feira
19 de Setembro de 2018
Publicidade
Publicidade
Quarta-feira, 19 de Setembro de 2018
Publicidade
Publicidade
Como era antes?

Página reúne imagens históricas e mantém viva a memória do Cariri de antigamente

Por Felipe Azevedo/ Agência Miséria
Em 04/03/2018 às 11:00
Compartilhar
Estátua de bronze do Padre Cícero na década de 70 (Foto: Acervo José Leite de Souza)

O Cariri é acolhedor. Aqui estão os que vêm de longe, os que nasceram perto e os filhos da terra. Há muita história a ser contada, muita memória vivida nos quatro cantos da Chapada do Araripe, e mais ainda, acontecimentos que marcaram época e que, decerto, poderiam se perder no tempo.

Há, no entanto, quem se preocupe com a memória, instigando através de imagens recuperadas as histórias dos ícones caririenses, os acontecimentos, curiosidades e tudo que faz parte da construção de um lugar.

O Cariri das Antigas, página ativa no Facebook com quase 20 mil seguidores, se empenha em uma tarefa nobre de tornar pública a memória da região. Tanto na rede social quanto no Youtube, os administradores dispõe de um acervo imenso e nostálgico.

Rua São José, em Juazeiro do Norte, com o Casarão do Padre ao fundo (Foto: Acervo dos Municípios IBGE)


Uma breve visita, e é possível assistir em cores trabalhadores no alto dos andaimes de madeira, puxando para cima as peças que mais tarde comporiam a estátua do Padre Cícero, no horto, em 1968. Outro vídeo, esse ainda em preto e branco, mostra a Juazeiro do Norte de 1925.

Crato em 1968, a chegada da comitiva de inspeção da obra do Açude do Orós, o bilhete de entrada do Cine Eldorado e outras tantas fotos, documentos e diversos itens da memória caririense fazem parte do acervo do Cariri das Antigas.

Youtube - Cariri das Antigas
Facebook - Cariri das Antigas

Publicidade
Compartilhe
Comentários
Publicidade
Publicidade
Publicidade
TJ Seguros
Publicidade
Publicidade
Publicidade
Publicidade
© ACONTECEU, TÁ NO MISÉRIA
Quer reproduzir nosso conteúdo no seu blog ou site? Estabeleça uma parceria clicando aqui.
Desenvolvido por Kleber Ferreira