Terça-feira
17 de Julho de 2018
Publicidade
Publicidade
Terça-feira, 17 de Julho de 2018
Publicidade
Publicidade
Câmbio

Dólar avança, em linha com cenário externo e incertezas sobre Previdência

Em 07/12/2017 às 19:20
Compartilhar
(Foto: Reprodução/ Terra)

Depois de superar a casa dos R$ 3,30 na parte da manhã desta quinta-feira, 7, o dólar reduziu o ritmo de alta e oscilou ao redor dos R$ 3,29 até o encerramento da sessão desta quinta-feira. O arrefecimento no período da tarde veio em linha com o número menor de declarações acerca da reforma da Previdência, tema que está há dias no radar dos investidores. Com a pauta em compasso de espera, o câmbio passou a seguir os passos de seus pares no exterior.

“O dólar vinha numa tendência de desvalorização ante o real, o que o levou a um descolamento em relação a outras moedas ligadas a commodities e de países emergentes. Por isso, hoje à tarde houve um ajuste automático”, explica José Raimundo Faria Júnior, diretor da Wagner Investimentos, sobre a alta de 1,70%. Com essa valorização, o dólar ante o real passou a acumular ganho de 1,35% de terça a quinta-feira. No mesmo período, a divisa americana se valorizou 1,14% ante o dólar australiano, 1,37% ante o canadense e 1,67% ante o peso mexicano, de acordo com informações coletadas pela AE Dados até as 17h30.

O dólar à vista fechou em alta de 1,70%, a R$ 3,2888. Na máxima, atingiu R$ 3,3186 (+2,62%) e, na mínima, R$ 3,2480 (+0,44%). O giro foi de US$ 1,522 bilhão.

De olho no exterior, o BTG Pactual emitiu US$ 500 milhões em bônus de cinco anos a taxa de 5,625%, disseram fontes ao Broadcast, serviço de notícias em tempo real do Grupo Estado. A demanda atingiu US$ 4 bilhões. Portanto, a operação do BTG se junta à do Itaú (US$ 1,250 bilhão) e do Minerva (US$ 500 milhões, segundo fontes), realizadas nos últimos dias.

Até novembro, o volume de captações feitas por empresas no mercado de capitais doméstico e externo atingiu R$ 242,2 bilhões, podendo voltar aos patamares de 2014 e 2012, de R$ 261,4 bilhões e R$ 258,7 bilhões, respectivamente, segundo o diretor da Anbima, José Eduardo Laloni, em conversa com jornalistas. “Podemos alcançar algo em torno de R$ 260 bilhões, considerando as operações que estão vindo a mercado em dezembro”, afirmou. O executivo estima que o primeiro semestre deve seguir movimentado em termos de emissões no mercado local e externo, dado um cenário de estabilidade das atuais condições, com especial foco na manutenção do juro em patamares baixos.

Terra

Publicidade
Compartilhe
Comentários
Publicidade
Publicidade
Publicidade
TJ Seguros
Publicidade
Publicidade
Publicidade
Publicidade
© ACONTECEU, TÁ NO MISÉRIA
Quer reproduzir nosso conteúdo no seu blog ou site? Estabeleça uma parceria clicando aqui.
Desenvolvido por Kleber Ferreira