Economia e Negócios
Ministro
Sem reforma da Previdência, pode faltar dinheiro para segurança, saúde, educação e emenda parlamentar, diz Meirelles
Compartilhar

Ministro da Fazenda, Henrique Meirelles, diz a empresários em Minas que sem a reforma da Previdência pode faltar dinheiro para emenda parlamentar (Foto: Reprodução)

Em 08/02/2018 às 15:15
Publicidade

O ministro da Fazenda, Henrique Meirelles, falou nesta quinta-feira (8) que se a reforma da Previdência não passar, pode faltar dinheiro para segurança, saúde, educação e para emendas parlamentares.

A frase foi dita em um evento em Nova Lima, Região Metropolitana de Belo Horizonte. No encontro com empresários, o ministrou falou sobre o cenário político e econômico do Brasil em 2018.

Publicidade


Conheça ponto a ponto o texto da Reforma da Previdência que será enviado para votação

“Se a reforma não for aprovada, o que vai acontecer? Em 10 anos, as despesas da Previdência, que hoje são a metade do orçamento, vão ser 80%. Não vai ter dinheiro para segurança, para saúde, educação, também não vai ter para emenda parlamentar”, disse.

Publicidade


Meirelles ressaltou, na sequência, que a emenda parlamentar está prevista na Constituição e é legítima “desde que seja bem aplicado [o dinheiro distribuído na emenda], evidentemente”.

Nesta quinta-feira (8), o presidente do Senado, senador Eunício Oliveira (PMDB-CE) disse que se a reforma da Previdência não for votada em fevereiro, como quer o governo, pode ficar para o mês de novembro. Segundo ele, isso não seria uma "catástrofe".

O presidente Michel Temer (PMDB) enviou na segunda-feira (5) uma mensagem ao Congresso Nacional na qual afirmou que "consertar" a Previdência Social é a "tarefa urgente" do momento.

No evento em Nova Lima, Henrique Meirelles se mostrou confiante na aprovação da reforma que, segundo ele, deve ser votada no dia 19 ou no dia 20 de fevereiro. Nesta quarta-feira (7), o ministro disse que não há “plano B” caso a reforma não seja aprovada na volta do recesso parlamentar.

O ministro também destacou que o efeito de não se reformar a Previdência será a logo prazo. “A reforma da Previdência não é algo que está sendo feito olhando para 2018. Do ponto de vista de equidade da Previdência, do equilíbrio fiscal. Ela é algo que vai fazer efeito ao longo do tempo”.

Para os empresários mineiros, Meirelles fez campanha pela reforma e pediu que eles liguem para os deputados mineiros para a aprovação do texto. “É importante que todo mundo que acha que a Previdência tem que ser aprovada, tem que ajudar. Liga para o deputado que conhece”, disse durante a palestra.

Sobre as eleições deste ano, o ministro disse que deve decidir se vai ou não se candidatar a algum cargo até 7 de abril, data limite para que qualquer pessoa que pretenda concorrer a algum cargo eletivo se filie a algum partido. Meirelles afirmou que, até lá, vai estar 100% focado no ministério.

 

g1


Compartilhar

Publicidade
Mais do Site Miséria
Publicidade

Enquete
Você ainda usa telefone fixo em casa?

Qual seu sexo?

timelineResultado Parcial
TV Miséria
Humor