Sexta-feira
28 de Abril de 2017
Publicidade
Publicidade
Sexta-feira, 28 de Abril de 2017
Publicidade
Publicidade
Ministério da saúde
No Brasil, 827 mil vivem com HIV; prevenção é essencial
A camisinha é o método mais eficaz para evitar a transmissão sexual do vírus (Foto: Reprodução)
Em 18/04/2017 às 10:30

A epidemia de aids entrou no Brasil no início dos anos 1980 Estima-se que o país conta hoje com cerca de 827 mil pessoas vivendo comHIV, vírus causador da aids. E por mais que o tratamento tenha evoluído, melhorado a qualidade de vida de quem tem o vírus a prevenção continua sendo fundamental e a forma eficaz de se evitar a aids.

HIV é a sigla em inglês para Vírus da Imonudeficiência Humana. Ele ataca o sistema imunológico da vítima, que é o responsável por defender o organismo de doenças.  atenção É bom destacar que ter o HIV não é a mesma coisa que ter aids, que seria a fase em que a pessoa atinge baixos níveis de células de defesa, abrindo portas para as doenças.

Uma vez no organismo, o vírus pode levar até 10 anos sem manifestar nenhum sintoma.  Apesar disso,  ele pode ser transmitido para outras pessoas durante esse período. A transmissão acontece por meio das relações sexuais desprotegidas (sem o uso da camisinha), no compartilhamento de instrumentos perfuro-cortantes como agulhas e alicates,  ou durante a gravidez, parto ou a amamentação, caso a mãe viva com o vírus e não saiba É bom que se diga que há tratamento que impede que o bebê seja infectado. Por isso é muito importante que seja oferecido a gestante um pré natal precoce e completo, para que o HIV seja diagnosticado, para evitar que ele seja transmitido para a criança.

De acordo com dados do Ministério da Saúde, entre 2010 e 2015 foram registrados em média 40 mil novos casos da doença anualmente. Estima-se que das 827 mil pessoas que têm o vírus no país, cerca de 45%, ou 372 mil, ainda não estão em tratamento. Desse total, 260 mil sabem que  têm o vírus. Preocupa a estimativa de que 112 mil pessoas vivem com HIV e ainda não sabem. Por isso é importante fazer o teste regularmente. Porque se a pessoa se expôs ao vírus como numa relação sexual desprotegida, pode estar infectada e nem saber. Apesar de os jovens entre 15 e 24 anos integrarem o grupo mais vulnerável, eles são os que fazem o teste mais cedo. A estimativa do Ministério da Saúde é a de que 74% dos jovens com HIV procuraram o serviço de saúde. Mas do total, apenas 57% estão em tratamento efetivo.

O estigma e o preconceito em torno da doença ainda é um fator que impede as pessoas muitas vezes de fazerem o teste e procurarem o tratamento. Entretanto, é crucial ter o diagnóstico e iniciar o tratamento o mais precocemente. Isso garante a eficácia do tratamento e a qualidade de vida para quem já tem o vírus.

Cabe lembrar que o tratamento para o HIV é oferecido gratuitamente no SUS. Uma vez que a pessoa recebe o resultado positivo, ela é encaminhada para os serviços de atenção especializada onde serão feitos novos exames e oferecido os remédios para iniciar o tratamento. Além disso, o tratamento reduz as chances do vírus ser transmitido.

No caso das relações sexuais, entretanto, é bom reforçar que a camisinha é ainda o método mais eficaz para se evitar o HIV e outras IST como a . como a sífilis, gonorreia e a hepatite B.

 

terra

 

Publicidade
Compartilhe
Comentários
Publicidade
Publicidade
TJ Seguros
Publicidade
Publicidade
Publicidade
Publicidade
© ACONTECEU, TÁ NO MISÉRIA
A reprodução total ou parcial de qualquer conteúdo (textos, imagens, infográficos, arquivos em flash, etc) do portal só é permitida com o devido crédito da fonte e, caso não se configure, poderá ser objeto de denúncia tanto nos mecanismos de busca quanto na esfera judicial. Se você possui um blog ou site e deseja estabelecer uma parceria para reproduzir nosso conteúdo, clique aqui.
Desenvolvido por Kleber Ferreira