Terça-feira
23 de Outubro de 2018
Publicidade
Publicidade
Terça-feira, 23 de Outubro de 2018
Publicidade
Publicidade
Ministério da Saúde

Todas as cidades do Ceará seguem fora da área de risco da febre amarela

Em 26/01/2018 às 06:50
Compartilhar
Ceará tem todo o território fora da zona de risco da febre amarela (Foto: Reprodução)

O Ceará segue com 100% do seu território fora da zona de risco da febre amarela, conforme boletim atualizado nesta quinta-feira (25) pelo Ministério da Saúde. Todas as 184 cidades do estado são classificadas como "área sem recomendação da vacina" contra a febre amarela.

Devem receber a vacina no Ceará apenas as pessoas que vão viajar para cidades onde há risco de contrair a doença. Conforme o Ministério da Saúde, apenas Ceará, Paraíba, Pernambuco e Sergipe estão com todo o território livre dos riscos da doença.

Pessoas que vão se deslocar para regiões onde há risco de contrair a doença devem procurar os postos de saúde para receber a vacina contra a febre amarela.

Quem não deve se vacinar

- Pessoas que têm HIV e que têm contagem de células CD4 maior que 350
- Pessoas que terminaram tratamento de quimioterapia e radioterapia
- Pessoas com doenças hematológicas (do sangue)
- Grávidas (apenas as que moram em área de extremo risco)
- Crianças de 9 meses a menores de 2 anos de idade
- Viajantes internacionais, já que o Regulamento Sanitário Internacional (RSI) não autorizou a utilização da dose fracionada para a emissão do Certificado Internacional de Vacinação e Profilaxia (CIVP). No ato da vacinação, deve ser apresentado comprovante de viagem (boleto de passagem área ou hotel, convite para participação em eventos internacionais, entre outros) para países que exijam o CIVP

Sintomas

A doença se torna aparente de três a seis dias após a infecção, de acordo com o Ministério da Saúde. Os sintomas iniciais são febre, calafrios, dor de cabeça intensa, dores nas costas, dores no corpo em geral, náuseas e vômitos, fadiga e fraqueza. A maior parte das pessoas apresenta uma melhora após tais sintomas.

Cerca de 20% a 40% das pessoas que desenvolvem a versão mais grave da doença (15% do total de infectados) podem morrer.

Fonte: G1 CE

Publicidade
Compartilhe
Comentários
Publicidade
Publicidade
Publicidade
Publicidade
Publicidade
Publicidade
Publicidade
© ACONTECEU, TÁ NO MISÉRIA
Quer reproduzir nosso conteúdo no seu blog ou site? Estabeleça uma parceria clicando aqui.
Desenvolvido por Kleber Ferreira