Política
Discurso
Seria "covardia" não me candidatar à Presidência, diz Collor no Senado
Compartilhar

Em um discurso de 21 minutos, o senador Fernando Collor de Mello (PTC-AL) anunciou no plenário do Senado a sua pré-candidatura à Presidência em 2018 (Foto: Reprodução)

Em 06/02/2018 às 16:30
Publicidade

Em um discurso de 21 minutos, o senador Fernando Collor de Mello (PTC-AL) anunciou no plenário do Senado a sua pré-candidatura à Presidência em 2018. Em uma fala recheada de elogios ao seu governo entre 1990 e 1992 e à sua "maturidade", o ex-presidente atacou o espírito de renovação e polarização política e classificou como "covardia" a sua não participação no processo eleitoral.

"O íntimo do meu sentimento público me diz que seria covardia de minha parte renunciar à verdade e desviar de mais um desafio que o destino me impõe. Os temores da história não podem preceder aos atores da modernidade. Reunir a experiência, a coragem, o equilíbrio e a maturidade é uma dívida que não admite mais moratória", afirmou.

Publicidade


Segundo pesquisa Datafolha divulgada em 31 de janeiro, Collor estreou na pesquisa com índice entre 1 e 3%, e rejeição alta, de 44%.

Em seu discurso, o ex-presidente criticou o que classificou como um forçado espírito de renovação política e defendeu um "novo pacto federativo" para aglutinar no governo os "melhores quadros" de esquerda e direita.

Publicidade


"Não precisamos de revolução, mas de evolução. Da mesma forma não precisamos de renovação, mas de inovação. Somente assim conseguiremos esculpir o Brasil definitivamente entre as grandes potências mundiais", disse.

Collor voltou a dizer, como em seu anúncio em Alagoas, que sua disposição à candidatura vem para suprir o vácuo deixado de lideranças de centro.

"O Brasil quer uma liderança que consiga fazer a sociedade se espelhar, uma liderança que faça renascer a esperança e otimismos do país. Precisamos de um centro democrático que não se prenda a meros rótulos de esquerda e direita, que promova interação entre os setores público e privado, mas que também saiba atribuir a cada ente sua específica competência. É essa a grande esperança da maioria da população, e daí uma esperança de cobrir esse vácuo", pontuou.

O ex-presidente disse ainda que espera um "julgamento isento" para sua candidatura e, se eleito, terá três eixos determinantes: "alavancar novamente o pais a priorizar a excelência na educação, a abrangência pública para a saúde e a mão pesada do Estado na segurança pública".

Collor votou a lamentar sua saída precoce da Presidência, mas disse que hoje tem mais maturidade para voltar ao cargo.

"Minha postulação possui o suporte da experiência de prefeito, governador e presidente, e a experiência parlamentar. É essa maturidade em quase 40 anos de vida pública, aliado a todas essas agruras que passei, que me fizeram compreender que, na política, a menor distância entre dois pontos é aquele que oferece menor resistência", disse.

Collor já foi presidente do país entre 1990 e 1992, quando se tornou o primeiro chefe da República a sofrer impeachment.

Collor ainda disse que o Brasil precisa de mudanças que não foram implementadas desde sua eleição.

"Passadas quase três décadas, o Brasil continua sendo a mesma obra gigantesca que pede tempo de maturidade institucional, e que requer ainda no plano econômico mais previsibilidade e segurança jurídica. Por isso submeto a julgamento isento a minha pré-candidatura. Assim como em 1989 tinha a lúcida consciência do caminho a ser seguido pelo país, hoje tenho a convicção do melhor rumo", afirmou.

Para o senador, o seu governo "abriu a porta do Brasil para a tecnologia" e o mundo, que logo estará dividido em dois: os que programam e os que serão programados.

"Ou o Brasil se programa ou continuará programado pelos grandes atores do mundo. O caminho é ser, ao mesmo tempo, progressista e liberal, com aglutinação dos melhores quadros do país."

 

uol


Compartilhar

Publicidade
Mais do Site Miséria
Publicidade

Enquete
Você ainda usa telefone fixo em casa?

Qual seu sexo?

timelineResultado Parcial
TV Miséria
Humor