Terça-feira
25 de Setembro de 2018
Publicidade
Publicidade
Terça-feira, 25 de Setembro de 2018
Publicidade
Publicidade
Tem, mas não funciona

Apesar de estrutura nova, escola em Missão Velha está sem aulas e moradores pedem solução

Por Felipe Azevedo/ Agência Miséria
Em 27/02/2018 às 10:25
Compartilhar
Novo prédio da escola apresenta boa estrutura, mas não comporta alunos (Foto: Agência Miséria)

O Sítio Gameleiras, zona rural de Missão Velha, conta há pelo menos três anos com uma escola bem estruturada, ampla e com capacidade de funcionamento em tempo integral. Moradores, no entanto, lamentam que o equipamento municipal nunca recebeu alunos da rede pública.

Trata-se do prédio onde deveria funcionar a Escola Manoel Faustino do Nascimento. A denúncia é de uma moradora do lugar que prefere não se identificar. Segundo ela, e de acordo com as imagens enviadas ao Miséria, há muito mato crescendo no entorno do colégio, e, mesmo com uma estrutura nova, encontra-se abandonada.

A leitora afirma ainda que, pelo tamanho do prédio, ali poderiam estudar crianças de outros sítios próximos ao Gameleira de São Sebastião, como Baixa do Maracujá, Cajazeiras, Cafundó e Riacho do Meio, "os diretores esperam a boa vontade dos gestores, mas nada acontece", diz a leitora.

Em conversa como Miséria, a Secretária de Educação de Missão Velha, Amélia Maria Macedo, confirmou que não há aulas no local. Reiterou, no entanto, que 260 alunos frequentam uma escola que funciona há 300 metros do novo prédio, "é uma estrutura antiga e menor", reconhece.

Questionada, a secretária disse que a obra foi paralisada em novembro do ano passado por "problemas pessoas do dono da construtora", mas que os trabalhos voltaram nesta segunda-feira (26). Ela afirma ainda que "para finalizar a obra faltam caixa d´água e alguns móveis", e que "talvez seja entregue em um mês".

A professora destacou ainda que espera inaugurar o colégio em abril, e que após o início das operações a escola passará a funcionar em tempo integral.

O Miséria tentou contato com o construtor responsável pela obra, identificado como Jucivaldo, mas o número que foi repassado à reportagem estava desligado ou fora da área de cobertura.

Publicidade
Compartilhe
Comentários
Publicidade
Publicidade
Publicidade
Publicidade
Publicidade
Publicidade
Publicidade
© ACONTECEU, TÁ NO MISÉRIA
Quer reproduzir nosso conteúdo no seu blog ou site? Estabeleça uma parceria clicando aqui.
Desenvolvido por Kleber Ferreira