Quarta-feira
23 de Maio de 2018
Publicidade
Publicidade
Quarta-feira, 23 de Maio de 2018
Publicidade
Publicidade
Crime em São Paulo

Polícia prende pai, marido e madrasta de jovem que matou após post na web

Em 25/01/2018 às 17:50
Compartilhar
Angélica esfaqueou e matou a vizinha Érica, segundo a polícia, em Santos, SP (Foto: Arquivo pessoal)

O pai, o marido e a madrasta de Angélica da Cruz, de 27 anos, suspeita de matar a facadas a vizinha por causa de uma vaga de emprego em Santos, no litoral de São Paulo, no dia 13 de janeiro, foram presos na noite desta quarta-feira (24). Uma postagem da vítima feita em uma rede social, um dia antes do crime, teria sido o estopim para as agressões.

Os familiares tiveram a prisão preventiva decretada após também serem indiciados por homicídio. Segundo testemunhas, os parentes ajudaram Angélica a esfaquear Érica Oliveira da Silva, vítima fatal do crime que aconteceu no sábado (13), no bairro Monte Cabrão. Em entrevista, Francisco de Assis Cruz, pai de Angélica, negou ter ajudado matar Érica.

Angélica e Érica moravam em residências vizinhas, eram desafetas e trocaram provocações momentos antes do crime, por causa de uma vaga de emprego. A vítima fatal foi surpreendida na porta de casa e as duas irmãs, Débora, de 22 anos, e Danielle, de 29, também foram esfaqueadas, mas sobreviveram.

Em entrevista no último dia 16, o delegado responsável pelo caso, Marcos Alexandre Alfino, disse não ter dúvidas em relação à autoria do crime e que investigaria a participação dos familiares. "As pessoas estão sendo ouvidas para verificarmos quem, de fato, participou do crime. Houve uma confusão generalizada, e isso é fato, mas ainda estamos apurando tudo", explicou na data.

Angélica, inicialmente, teve a prisão temporária decretada e se apresentou na delegacia acompanhada do advogado, no último dia 18, e alegou legítima defesa. O delegado já solicitou a prisão preventiva e a jovem continua presa.

O caso

Segundo a polícia, por volta das 20h de sábado, Érica e mais três irmãs voltavam para casa quando Angélica, que trabalhava em uma barraca de bananas, as viu na rua e começou a provocar a vítima. "Elas começaram um bate-boca e o pai, o irmão e o marido da agressora saíram para ajudar", contou Rafaela.

Segundo ela, durante a discussão, o pai de Angélica segurou Érica para que ela ficasse imóvel enquanto a filha esfaqueava a vítima. A faca foi entregue à suspeita pelo próprio marido que, segundo testemunhas, também teve participação no crime. Rafaela foi a única das quatro irmãs que não teve ferimentos.

Érica deu entrada no Pronto Atendimento Médico (PAM) da Rodoviária de Guarujá já sem vida. Débora e Daniele também foram levadas para a mesma unidade de saúde e em razão da gravidade do caso foram transferidas na mesma noite para o Hospital Santo Amaro.

Segundo a polícia, logo após a briga, Angélica fugiu do local e não foi mais vista. Os familiares da suspeita foram até a Delegacia Sede de Santos prestar depoimento sobre o caso e, em seguida, foram liberados.

Fonte: G1

Publicidade
Compartilhe
Comentários
Publicidade
Publicidade
TJ Seguros
Publicidade
Publicidade
Publicidade
Publicidade
© ACONTECEU, TÁ NO MISÉRIA
Quer reproduzir nosso conteúdo no seu blog ou site? Estabeleça uma parceria clicando aqui.
Desenvolvido por Kleber Ferreira