Domingo
18 de Fevereiro de 2018
Publicidade
Publicidade
Domingo, 18 de Fevereiro de 2018
Publicidade
Publicidade
Trânsito

Lei aumenta pena para motoristas alcoolizados

Pena mínima aplicada ao delito de homicídio culposo no trânsito passou a ser de cinco anos de reclusão (Foto: Reprodução/Jornal do Cariri)
Em 30/01/2018 às 09:05

Em abril deste ano, entrará em vigor a Lei 13.546/ 17, que altera o Código de Trânsito Brasileiro (CTB) para dispor sobre crimes cometidos na direção de veículos automotores. A Lei dispõe que o juiz deve fixar a pena-base de acordo com as diretrizes previstas no Código Penal, dando especial atenção à culpabilidade do agente e às circunstâncias e consequências do crime. A medida é uma forma de reduzir o número de mortes e acidentes de trânsito.

Especialista em direito penal e criminologia, o advogado Rodolfo Tavares aponta as principais alterações previstas na Lei. “Houve a inclusão de dois novos parágrafos nos artigos 302 e 303 do CTB. Os novos textos passaram a tratar a embriaguez como circunstância qualificadora nos crimes de homicídio e lesão corporal culposos. Na prática, as punições para ambos os delitos ficaram mais severas, de modo que a pena mínima aplicada ao delito de homicídio culposo no trânsito passou a ser de cinco anos, podendo chegar a oito anos de reclusão”, explica Rodolfo Tavares.

O especialista em direito penal e criminologia salienta que, neste caso, o delegado não poderá mais conceder fiança ao agente causador do delito. “De acordo com a legislação pátria, quando o delito tem pena mínima prevista superior a quatro anos, somente o juiz poderá conceder a fiança. No caso da lesão corporal culposa no trânsito, a pena mínima será de dois anos, podendo chegar a cinco anos de reclusão. Sem dúvida alguma, as pessoas pensarão duas vezes antes de dirigir sob efeito de álcool ou substâncias psicoativas, já que a punição para os delitos de trânsito estão se tornando cada vez mais severas”, diz Rodolfo Tavares.

A especialista em trânsito, Cláudia Barbosa, diz que a medida é válida, porém é preciso ir além. “Mais leis e proibições nem sempre tornam o trânsito mais seguro. É preciso aumentar a fiscalização, endurecer as multas e realizar trabalhos educativos para que o motorista esteja ciente das consequências que a união do álcool e direção pode trazer para a vida dele ou de um ente querido. É preciso conscientização e fiscalização para reduzirmos o número de acidentes e mortes no trânsito”, esclarece Cláudia Barbosa.

Fonte: Jornal do Cariri

Publicidade
Compartilhe
Comentários
Publicidade
Publicidade
TJ Seguros
Publicidade
Publicidade
Publicidade
Publicidade
© ACONTECEU, TÁ NO MISÉRIA
Quer reproduzir nosso conteúdo no seu blog ou site? Estabeleça uma parceria clicando aqui.
Desenvolvido por Kleber Ferreira