Mundo
Ex-militar
Morre Reynaldo Bignone, o último ditador da Argentina
Compartilhar

O homem foi condenado à prisão perpétua por crimes como roubo de bebês, tortura, privação ilegal de liberdade, conspiração, entre outros (Foto: Reprodução/ Notícias ao Minuto)

Em 07/03/2018 às 12:45
Publicidade

O ex-militar Reynaldo Bignone, o último ditador da Argentina (1982-1983) e condenado à prisão perpétua por crimes contra a humanidade, morreu nesta quarta-feira (7) em 90 anos, de acordo com o jornal Clarín.

Bignone, que morreu no Hospital Militar Central de Buenos Aires, onde foi internado. Ele foi o responsável por passar a faixa presidencial, em dezembro de 1983, para o primeiro chefe de estado da atual democracia, Raúl Alfonsín, depois de ter ganho as eleições realizadas dois meses antes. A ditadura sangrenta durou sete anos (1976-1983).

Publicidade


Contra o ditador pesaram várias sentenças de prisão perpétua por crimes contra a humanidade cometidos durante o regime: roubo de bebês, tortura, privação ilegal de liberdade e conspiração foram alguns dos crimes que estavam em seu registro.

NoticiasaoMinuto


Compartilhar

Publicidade
Mais do Site Miséria
Publicidade

Enquete
Você acha que deve haver leis mais duras para quem agride animais no Brasil?

Qual seu sexo?

timelineResultado Parcial
TV Miséria
Humor